[Clipping] Destaques de outubro/2020

Filme mostra São Paulo de imigrantes sob o olhar de um nigeriano

Um músico nigeriano chega a São Paulo para reencontrar o irmão, que seria um professor de matemática numa faculdade. Quando descobre que a faculdade não existe, o músico começa uma saga em busca do irmão. Esse é o enredo do filme Cidade pássaro, que estará na plataforma online da 44a. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, e trata dos imigrantes de São Paulo. De acordo com a Folha de S. Paulo, o filme brasileiro é predominantemente legendado e estrelado pelo ator nigeriano O.C. Ukeje, com direção de Matias Mariani e Maíra Bühler. 

Imigrantes e refugiados denunciam preconceito no sistema de saúde durante pandemia

Imigrantes e refugiados têm acesso garantido ao Sistema Único de Saúde (SUS), previsto na Constituição Federal, e, mais recentemente, segundo a nova Lei de Imigração. Mas, na prática, há relatos de dificuldade de acesso de quem busca o serviço de saúde durante a pandemia, devido à barreira da língua, falta de orientação aos agentes públicos e episódios de preconceito. De acordo com matéria publicada pelo Metropoles, dos 953 refugiados e imigrantes que contraíram de Covid-19 no país, 75% morreram. Há ainda problemas relacionados ao registro desses pacientes.

Secretaria de Assistência Social de Porto Velho convoca entidades para comitê de atenção ao migrante, refugiado e apátridas

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Família (Semasf) de Porto Velho convocou organizações da sociedade civil que tenham interesse em participar do Comitê de Atenção ao Migrante, Refugiado e Apátrida (COMIRAP), para o biênio 2020 a 2022. De acordo com o Diário da Amazônia, o comitê será responsável por promover ações e coordenar as iniciativas de atenção, promoção e defesa dos direitos dos refugiados, imigrantes e apátridas no município de Porto Velho, sendo também responsável pela elaboração, implantação e monitoramento do Plano Municipal de Atenção a Refugiados e Imigrantes, com o objetivo de facilitar o acesso por parte dos estrangeiros às políticas públicas.

Refugiados venezuelanos chegam a MS para trabalhar com carteira assinada

Um grupo de refugiados venezuelanos chegou a Mato Grosso do Sul para trabalhar com carteira assinada em um frigorífico na cidade de Sidrolândia. Eles estavam em Roraima e receberão ajuda de custo até ganharem o primeiro salário. Matéria publicada no Midiamax informa que os venezuelanos ficarão em alojamentos temporários por 70 dias.

Refugiada congolesa consegue visto de residência na Justiça em SP

Uma refugiada congolesa que vive em São Paulo conseguiu na Justiça autorização de residência no país. A decisão foi da 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3). A congolesa tem uma filha brasileira menor de idade e tinha tido o requerimento negado pela Polícia Federal para fins de reunião familiar por não ter apresentado passaporte válido nem certidão de antecedentes criminais. Na Justiça, sua situação foi considerada de extrema vulnerabilidade, por estar desempregada e foi possível a residência com o protocolo válido da solicitação de refúgio e demais documentos, como CPF e carteira de trabalho. Leia mais no site Notícias Concursos.

Faltam dados no país sobre morte de imigrantes por Covid-19

O Brasil não tem o registro de quantos imigrantes morreram pela Covid-19, onde foram atendidos e em quais regiões do país, segundo matéria do Brasil de Fato. Os dados sobre a mortalidade pela covid-19 no Brasil estão nas declarações de óbito e na Autorização de Internação Hospitalar (AIH). A nacionalidade, no entanto, não é um item obrigatório para preenchimento em nenhum deles. Especialistas alertam que a população, considerada uma das mais vulneráveis em meio à pandemia, não está sendo incluída nos Planos Nacionais de resposta a emergências da Covid-19 no Brasil.

Crianças imigrantes sofrem impactos da pandemia em Guaianazes

Em Guaianazes, na zona leste de São Paulo, crianças imigrantes sofrem impactos da pandemia de Covid-19. De acordo com matéria da Agência Mural, além das dificuldades em se adaptar com o novo idioma, há também a falta de acesso à internet, além da falta de acompanhamento e de alimentação das famílias que sobreviviam na informalidade. A maioria dos estrangeiros é proveniente da Bolívia, do Haiti e, mais recentemente, da Venezuela. Crianças e adolescentes foram excluídos das aulas remotas por não terem celular nem internet. Uma das saídas para a falta de comida vem de ações solidárias.

Paraguai libera fronteira com o Brasil

O governo do Paraguai liberou a fronteira com o Brasil, no dia 29 de outubro, incluindo a passagem de pedestres. De acordo com o portal R7, a decisão afetará o movimento de pessoas na Ponte Internacional da Amizade, em Ciudad de Leste. A passagem entre os dois países tinha sido fechada março por causa da pandemia de Covid-19. No dia 15 de outubro, ela tinha sido aberta, porém com restrições.  

Fernanda Paraguassu
Jornalista e pesquisadora do Grupo Diaspotics



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: