em pauta

# em pauta

PREVENÇÃO SIM. ALARMISMO NÃO

Alarmismo não é sinônimo de prevenção. Pelo contrário. Alarmismo gera pânico e impede a gestão racional e eficiente do risco ou da crise. Alarmismo excessivo reflete medo arcaico e ressuscita o instinto de horda.

Aliás, há de se perguntar se a preocupação com a saúde pública não passa de álibi para liberar nosso inconsciente racista e intolerante. Onde acaba o perigo real e onde começa a ameaça imaginária?

Propostas autoritaristas como a de maior controle nas fronteiras, por exemplo, só irá alimentar a corrupção, aumentar o lucro dos coiotes e dificultar o acompanhamento de eventuais casos da doença.

Nem a fortaleza européia nem o aparato securitarista norte-americano conseguem coibir as migrações transnacionais.

O tratamento consequente dos fluxos humanos não precisa prescindir dos valores democráticos e dos princípios universais de direitos humanos. E, além de nos poupar aviltamentos inúteis, pode se revelar um eficiente instrumento para remediar à propagação de todos os vírus – inclusive o mais pernicioso e destrutivo dentre eles: o vírus do ódio e da intolerância.

Veja a nossa análise completa..

# em pauta

ALARME FALSO, LIÇÃO VERDADEIRA

 

Que lições tirar do episódio de suspeita de ebola?

Ainda que a probabilidade de chegada do vírus ao Brasil seja baixíssima, é dever do Estado se preparar para enfrentar eventuais casos. Afinal, vivemos em um mundo cada vez mais globalizado onde as veleidades ao isolamento não são mais viáveis nem desejáveis. Fazemos parte do mundo e temos que aprender a viver nele e conviver com as suas vicissitudes.

Medidas técnicas e administrativas devem ser tomadas. Mas a legalidade, a racionalidade e a civilidade não devem ser ignoradas. Cuidados médicos não podem ser negados, direitos humanos devem ser respeitados e abusos devem ser condenados.

No episódio ocorrido, houve pânico injustificado, demonstrações de falta de preparo profissional, constrangedoras manifestações de racismo e xenofobia e claras violações da Lei por seus próprios representantes.

São momentos e situações em que o Estado deve se fazer presente, provar a sua eficiência e lembrar que rigor não significa excesso.

Veja nossa análise..