ALMÃES EM RIO CLARO

O presente artigo, da autoria de Flavia Mengardo Gouvêa, visa analisar a imigração alemã e sua rede de sociabilidades em Rio Claro entre a segunda metade do século XIX e o início do século XX.

Os frutos das transformações culturais ocorridas no mundo chegaram ao Brasil, e principalmente, às cidades interioranas produtoras de café, como é o caso de Rio Claro, que sofreu um grande impulso urbanizador.

Este processo começou a ocorrer na região de Rio Claro por volta de 1820-1830, propiciado principalmente pelas fazendas Ibicaba e Angélica, que pertenciam ao senador Vergueiro. Enfatizar-se-á a importância das correntes imigratórias européias, que chegaram ao município no período em questão, principalmente a alemã, e sua “adaptação” em Rio Claro (questões econômicas e políticas).

Enfim, averiguar-se-á como a corrente de imigração de origem alemã se inseriu na cultura urbana e/ou agrícola de Rio Claro.

Acesse o artigo em pdf

 



Categorias:diásporas

%d blogueiros gostam disto: