Em 2009, a Editora Panda Books, lançou a coleção: “Imigrantes do Brasil”. Projeto pensado pela Tatiana Fulas, editora responsável pela área de infantis e juvenis. Em entrevista realizada via e-mail, ela contou que o projeto nasceu do interesse de apresentar às crianças a importância da herança cultural e da preservação dessa origem. Espécie de resgate da vida de cada um: quem somos e de onde viemos. O Brasil possui uma diversidade étnica imensa, somos todos uma mistura de várias etnias, e essa pluralidade cultural faz com que nos esqueçamos de nossa real origem.

O projeto começou com dois autores da casa, publicados em 2009: João Anzanello Carrascoza, autor do título: “Meu avô espanhol” e Juliana de Faria, autora de: “Meu avô japonês”.

Em 2010 lançaram: “Meu avô italiano” de Thiago Iacocca e “Meu avô grego” de Alexandre Kostolias, segundo Tatiana Fulhas, ambos os autores procuraram a Editora para publicar ficção adulta, e como não estavam investindo na área, foram convidados para entrarem na coleção.

Em 2011 foram lançados: “Meu avô africano” de Carmem Lucia Campos e “Meu avô português” de Manuel Filho, nesse caso os autores já conheciam a editora, mas ainda não tinham nenhum livro publicado pela Panda Books.

Em 2012 publicaram “Meu avô árabe” de Maísa Zakzuk, uma autora da casa. No mesmo ano, foram publicados “Meu avô alemão” e “Meu avô chinês”.

“Esses dois últimos, conta Tatiana, tem uma história muito boa. Certo dia recebi a ligação do Martin Wille (autor do Meu avô alemão); ele estava numa livraria, viu os livros da coleção e me disse: ‘eu sou descente de alemão e sou casado com uma chinesa. Você não gostaria de lançar esses dois títulos?’. Foi uma experiência incrível porque a esposa dele não fala uma palavra em português, e como ele fala chinês, foi o “tradutor” da obra”.

Com o sucesso da coleção os autores convidados se sentiam lisonjeados com o convite, já que a história é muito autobiográfica. Logo os autores recorrem às suas lembranças de infância e acabam revivendo momentos especiais para compor a ficção. Cada história tem um pouco da vida do autor ali, o livro é um meio deles prestarem uma homenagem aos seus avós e pais.

No início eles planejavam lançar dois livros por ano, acreditavam que as comunidades dos imigrantes seriam os grandes divulgadores da coleção e foram surpreendidos pela receptividade das escolas.

A maioria delas, têm adotado a coleção inteira para trabalhar a questão da diversidade da cultura e sempre nos dão sugestões para os próximos volumes. A assessoria de imprensa interna divulgou na mídia impressa, na TV e no rádio e uma equipe de divulgadores escolares que visitam as escolas particulares.

O título que teve mais sucesso é o “Meu avô português”, selecionado para o programa Minha Biblioteca, onde todas as crianças matriculadas no Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino de São Paulo também têm o direito de formar a sua biblioteca pessoal e familiar.

Foi selecionado também para o programa Sala de Leitura, da Fundação para o Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo, e uma escola de Salvador, adotou o livro e desenvolveu um projeto de pintura de azulejos baseado na obra.

A tiragem inicial é de três mil exemplares, alguns títulos já foram reimpressos. A Editora pretende ampliar a coleção e já está avaliando quais autores serão convidados.

Ruana Corrêa