RESTAURO NA CASA DOS IMIGRANTES

Após três anos fechado, Museu da Imigração reabrirá para o público no fim de maio, em São Paulo. Prédio foi restaurado e exposição permanente oferecerá experiências ‘sensoriais’ ao visitante.

Após três anos fechado para seu primeiro restauro completo, o Museu da Imigração volta a abrir as portas ao público em 31 de maio. Restaurado e adaptado para receber o público, o museu terá uma exposição permanente sobre os cerca de 2,5 milhões de imigrantes e migrantes que passaram por ali, além de documentos, mostras temporárias e um espaço para pesquisas.

As reformas no Museu da Imigração consumiram R$ 20 milhões e foram dedicadas a adaptar o prédio da instituição para receber o público e o acervo de um museu. Construído em 1887 para funcionar como hospedaria, o prédio será climatizado, terá proteção contra enchentes e está adaptado às necessidades dos portadores de deficiência. O edifício foi restaurado e até o nome da instituição mudou: antes Memorial do Imigrante, passou a se chamar Museu da Imigração.

De acordo com a diretora-executiva, a historiadora Marília Bonas, o museu que será reaberto ao público irá abordar tanto a imigração do começo do século 19 como aquela dos dias atuais. “A curadoria se dedicou a ampliar o discurso do imigrante. Queremos discutir as múltiplas vozes dos que passaram por aqui para compartilhar a experiência dos imigrantes”, disse Bonas à ANBA. Ela disse também que a instituição irá dialogar com as comunidades de imigrantes e que terá um “forte de caráter de parceria” com a sociedade.

A nova exposição permanente irá relembrar as instalações da antiga Hospedaria de Imigrantes. Ela terá oito módulos que prometem ao visitante uma “imersão” no dia a dia da hospedaria. Em um dos módulos, o visitante será “levado” ao refeitório e irá ouvir as conversas de imigrantes em diversos idiomas. De lá, seguirá para o dormitório, onde será apresentado às expectativas e sonhos dos imigrantes antes que de fato vivessem no Brasil. Também verá vídeos com depoimentos de pessoas que passaram por ali. Outros módulos irão mostrar a imigração nos dias atuais.

O Museu da Imigração terá um auditório, um café e um espaço reservado a pesquisas sobre o tema. Os visitantes que precisarem utilizar a biblioteca e o centro de referência e pesquisa terão o acompanhamento de um funcionário do Museu. Grupos escolares terão um espaço para a realização de atividades e oficinas relacionadas ao tema da imigração.

História

A Hospedaria de Imigrantes foi aberta para receber os imigrantes de outros países que vinham ao Brasil para trabalhar. Os primeiros a passar por ali foram europeus que deixavam seus países a convite do governo do estado de São Paulo após a abolição da escravidão. Eles vinham para substituir os escravos nas lavouras de café. Esses empregados vinham para o Brasil de navio, com passagens pagas pelo governo paulista. Desembarcavam no Porto de Santos, subiam a serra de trem e ficavam na hospedaria antes de ser encaminhados para seu novo trabalho no interior.

Com o passar dos anos, a hospedaria recebeu imigrantes de mais de 70 nacionalidade, entre eles da Síria e do Líbano. Brasileiros que vinham para São Paulo também foram acolhidos ali nos anos 1930. “No caso dos árabes, eles vieram de muitos lugares e com foco nos núcleos urbanos, no comércio. Mostrar a cultura árabe é um desafio porque ela é formada por muitas culturas e nós temos o interesse de levar isso ao grande público”, disse a diretora-executiva.

Desde o fechamento do Museu da Imigração, sua gestão também mudou. A instituição pertence à Secretaria de Estado da Cultura, mas é administrada pela Organização Social de Cultura Associação dos Amigos do Museu do Café, que administra o museu de mesmo nome em Santos, no litoral paulista. A expectativa dos administradores é que o Museu da Imigração receba 500 mil visitantes até o fim deste ano.

Para o dia da reabertura estão previstas apresentações de teatro e dança de comunidades de imigrantes e um show do compositor e cantor Arnaldo Antunes. Durante os meses de junho e julho, a entrada será gratuita. Além da mostra permanente, o Museu da Imigração terá exposições temporárias.

Serviço
Museu da Imigração
Rua Visconde de Parnaíba, 1.316, Mooca, São Paulo, SP
Reabertura prevista para 31 de maio
Horário de funcionamento: de terça-feira à sábado, das 9h às 17h. Aos domingos, das 10h às 17h. Quinzenalmente, sempre às sextas-feiras, a instituição ficará aberta até 21h.

Mais informações aqui

Marcos Carrieri

(ANBA – 09/04/2014)



Categorias:diásporas

%d blogueiros gostam disto: