COMO VIVER NO MUNDO GLOBALIZADO?

Crescimento da imigração islâmica no Brasil revela face intolerante de parte da população.

Desde a chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500, existem muçulmanos no Brasil. Alguns historiadores mencionam que os primeiros dois, Chuhabidin Bin Májid e Mussa Bin Sáte, faziam parte da expedição de Pedro Álvares Cabral. Como a história do país é marcada por ondas migratórias, há registros da vinda de muçulmanos portugueses e espanhóis. Posteriormente, vieram muçulmanos negros trazidos como escravos.

Na década de 1920, veio a primeira onda moderna de imigrantes libaneses e sírios. A primeira mesquita foi aberta em São Paulo, em 1952. Treze anos depois, a segunda foi inaugurada em Londrina (Paraná). Oficialmente, existem hoje 13 mesquitas e oito mussalas no país. As mussalas são como capelas, onde não existe um imã (líder espiritual) presente.

De acordo com o Censo 2010 do IBGE existem 35 mil muçulmanos no país, mas algumas entidades islâmicas afirmam que são 1,5 milhão. Não se sabe ao certo o número de muçulmanos no Brasil; pois nos últimos anos o país registrou um crescimento considerável de imigrantes de modo geral, incluindo aqueles que professam a fé muçulmana. Vindos de 18 países da Ásia e da África, a maioria tem ido para cidades pequenas ou médias.

Somente no Paraná existe presença islâmica em 24 municípios. Foz do Iguaçu reúne a maior parte deles, sendo que muitos imigraram para o Paraguai, mas vivem do lado de cá da fronteira.

Eonio Cunha, colaborador do Instituto Brasileiro de Estudos Islâmicos, comemora. Para ele, a vinda de mais muçulmanos tem exposto os brasileiros a um contato maior com a religião de Maomé. Isso tem gerado conversão ao Islã. Além disso, aumentou a procura de informações sobre sua religião. Para isso, o Instituto e as mesquitas têm usado cada vez mais as ferramentas digitais para a difusão do Islã, incluindo Facebook, blogs e sites na internet.

Com isso, nos últimos quatro anos surgiram várias novas mesquitas no país. Uma das características desses novos arranjos religiosos é que a população reunida nos locais de culto são de diversos países. Há registro da entrada de imigrantes vindos de países como Bangladesh, Afeganistão, Paquistão, Angola, Moçambique, Palestina, Iraque, Jordânia, Índia, Síria, Gana, Líbano, Guiné, Senegal, Marrocos, Egito, Congo, Somália e do território da Caxemira. Muitos alegam perseguição política ou religiosa para obter o visto.

Outros foram contratados pelas empresas brasileiras que buscava pessoas com esse perfil. O principal fator que estimulou a atual migração muçulmana foi justamente o fato de as empresas que realizam o abate de aves e bovinos precisarem seguir os preceitos religiosos. Chamado de halal, ele assegura que a comida seja considerada pura. Isso inclui matar os animais com sua face voltada para Meca, a capital mundial do Islã, e a inspeção de imãs para atestar que segue-se o procedimento aceito pela sua religião.

Para seguir estritamente os rituais islâmicos, o abate só poderia ser feito por muçulmanos, por isso eles estão cada vez mais presentes nas cidades cuja economia depende disso. Muitos melhoraram de vida e já trouxeram (ou planejam trazer) seus parentes, pois ainda há mercado.

Atualmente, são cerca 318 mil toneladas de carne bovina e 1,8 milhão de toneladas de aves abatidas segundo esse método, que são exportadas para países muçulmanos. O mercado halal gerou mais de US$ 2 bilhões em vendas para o exterior em 2013.

As exportações de carne para esse público têm mudado o perfil de várias cidades pequenas do interior. Em Jaguapitã, Paraná, uma cidade de apenas 12 mil habitantes viu uma mesquita ser aberta em outubro de 2013.

Islamofobia

Deve-se de assinalar, todavia, que vem crescendo, no Brasil, o sentimento de xenofobia em geral e de islamofobia em particular. Há cada vez mais casos registrados de agressões virtuais (através das redes sociais e de internet de modo geral), verbais ou físicas contra imigrantes e refugiados. Em especial contra os negros (africanos e haitianos), árabes e muçulmanos.

Além do racismo constitutivo da história do país, pode-se observar uma forte ‘extrema-direitização’ de importantes segmentos da sociedade e sua adoção de um discurso francamente hostil a todas as diferenças. Fanatização que pode ser explicada tanto pela falta de informação da população como pelo seu passado colonial marcado pela repetição a-crética dos discursos ideológicos vigentes na Europa e América do Norte.

(Redação + Agências)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: