BRASIL, NOVO DESTINO DA IMIGRAÇÃO AFRICANA

Africanos escolhem cada vez mais Brasil para migrar. Casos de racismo e xenofobia se multiplicam.

Palco dos maiores eventos esportivos do mundo nesta década, o Brasil não só concentrou a atenção de órgãos internacionais e de grandes investidores, mas também se fortaleceu como destino das tradicionais rotas de emigração do continente africano.

Dados da Polícia Federal (PF) aos quais a Agência Efe teve acesso apontam que entre 2000 e 2012 o número de residentes e refugiados africanos no país sul-americano cresceu mais de 30 vezes, mas os números podem ser ainda maiores, se forem levados em conta os imigrantes ilegais, sobre os quais não se têm registros oficiais.

O relatório da PF diz que, em 2000, viviam no Brasil 1.054 africanos regularizados de 38 nacionalidades, mas o número saltou em 12 anos para 31.866 cidadãos legalizados provenientes de 48 das 54 nações do continente.

A maioria das rotas de imigração é por via aérea. Outras são pelo mar e, em alguns casos, há quem vá primeiro a países da fronteira norte para depois fazer a travessia para o território brasileiro por terra.

“Conheço alguns casos raros de pessoas que fugiram do Congo escondidas em navios e sem saber seu destino, que muitas vezes era o porto de Santos”, no litoral paulista, afirmou à Efe o padre Paolo Parise, diretor da Casa do Imigrante de São Paulo, principal centro de amparo dos africanos.

O abrigo da pastoral recebe imigrantes desde 1978, em 90% dos casos estrangeiros e com status de refugiados. De acordo com Parise, antes havia predominância de latino-americanos e, agora, de africanos e haitianos.

A maioria dos africanos, segundo a PF, é de países lusófonos, como Angola e Cabo Verde, com 11.027 e 4.257 cidadãos respectivamente até 2012 – ano dos dados consolidados mais recentes – seguidos pela Nigéria, com 3.072 imigrantes que regularizaram sua situação.

Segundo o coordenador de Políticas para Imigrantes da Secretaria de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Paulo Illes, o aumento da corrente imigratória africana é “mais visível” após 2010, quando o fluxo passou a ser “contínuo”.

Illes, que trabalha com o tema da imigração há 15 anos, afirmou à Efe que a crise financeira de 2008 foi um dos fatores que fez muitos africanos optarem pelo Brasil e não por países da Europa, que por sua vez ficaram mais estritos com as normas migratórias.

A imagem de nação emergente no cenário internacional levou o Brasil a ser visto pelos africanos de lugares mais pobres como “o país do futuro e dos sonhos” e um destino “mais atraente” em termos de fácil receita e direitos trabalhistas em comparação à Europa, ressaltou Illes.

A congolesa Cathy, por exemplo, deixou sua terra natal devido à guerra civil entre o governo e forças rebeldes no norte do país e deopis de seu marido, membro de um partido de oposição, ser preso.

“Saí por questões de segurança, e como na África é difícil conseguir vistos, me disseram que para o Brasil seria fácil e que, como país emergente, precisava de mão de obra para o trabalho”, contou ela, que chegou a São Paulo em dezembro do ano passado com os filhos e espera regularizar seus documentos para conseguir trabalho.

Parise lamentou que, apesar de a PF outorgar um documento provisório para acesso ao país nas fronteiras, o status de refugiado e as autorizações para trabalhar podem demorar meses.

“Pessoas que chegaram em março têm entrevista marcada para dezembro. Isso quer dizer que a vida delas fica parada até essa data, com uma série de consequências e problemas”, explicou o padre.

Cathy questionou a burocracia para obter os documentos e rotulou como “mito” a fama de receptividade dos brasileiros.

“Mudei de ideia, pois aqui se pedem documentos para tudo, até para comprar alguma coisa”, criticou.

A xenofobia e as demonstrações de racismo, como o preconceito contra os africanos no transporte público e por parte dos órgãos de segurança, também são relatados por alguns imigrantes que chegam ao abrigo da pastoral.

Apesar de o Brasil ser mais “acolhedor” do que a Europa com os imigrantes, Parise explicou que a taxa de imigração comparada com a dos países europeus é “baixa”.

“Se os imigrantes representassem 10% da população, gostaria de ver como a sociedade brasileira reagiria”, concluiu o sacerdote, que lembrou que os imigrantes representam apenas 1% do total de habitantes do Brasil.

(EFE – 10/05/2014)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: