HAITI VENCE COPA DOS REFUGIADOS

Segundo lugar ficou com o Congo, seguindo pelo Mali. Síria foi o lanterninha.

A Copa do Mundo dos Refugiados também teve hino à capela no campo de futebol do colégio Santa Cruz, em São Paulo. Orgulhosos, haitianos cantaram a plenos pulmões segurando a bandeira do país. A alegria é resultado da vitória de 2 a 0 sobre o difícil adversário: Congo.

O terceiro lugar ficou com o time do Mali, e o lanterninha foi a Síria, cuja equipe contou com o empréstimo de três brasileiros. O desfalque de três jogadores foi justificado pelo início do Ramadã, quando muçulmanos ficam sem comer e beber das 5h30 da manhã às 17h30 da tarde.

Costa do Marfim e Colômbia completaram os seis grupos que participaram do evento, em comemoração ao Dia Mundial do Refugiado.

Festa das Nações

A festa não acontecia só dentro do campo, havia muita dança, churrasco, doação de roupas, venda de artesanato, oficinas de arte e recreação infantil. A artista plástica Duwari (Patrícia Barbuscia) é voluntária do Adus no auxílio de capitação de verba, mas na festa exerceu a função de pintora com um grande painel montado no pátio e muitas tintas coloridas. “Eu não queria ficar só no computador, queria vir ajudar de outras formas também. A ideia era que fosse uma arte coletiva e deu certo, as crianças vêm aqui, pintam, se sujam…”.

E as crianças aproveitaram mesmo, independente do país de origem, já dominando o português ou não, elas estavam sempre juntas e se entendiam do jeitinho delas. Vaidosa, a congolesa Laini, que veio para o Brasil com os pais e dois irmãos, pediu às voluntárias que pintassem suas unhas, passassem maquiagem e colocassem vários adereços de cabeça. Quase uma modelo. Depois, aprendeu a fazer um buquê de flores e sabe quem foi presenteada? A mãe, que estava ajudando na barraca de doações de roupa.

Quem cuidou dessa garotada foi a Camila Amaral, que viu uma notícia sobre a festa no site Planeta Sustentável e resolveu ir ajudar. “Eu estudei nesse colégio até 2008 e como é perto da minha casa, eu vim. Gosto muito de crianças, então quando vi elas brincando já fui lá interagir”. E haja fôlego para tia Camila, como foi chamada durante todo o domingo. “É interessante que as crianças aprendem muito rápido o português, então elas conseguem me contar sobre a história delas, mas algo que não consegui saber é há quanto tempo estão no Brasil, porque criança não tem noção de tempo. Elas só sabem que eram pequenas.”

O trabalho dos voluntários é de extrema importância para que um evento como esse aconteça. No total foram, 150 voluntários. A Adus também contou com o suporte da rede de voluntários Atados. “O colégio Santa Cruz, por exemplo, foi muito receptivo com a idéia, toparam de cara ceder o espaço e também doaram as bolas”, conta Daniel Morais Assunção, membro da Atados. Os uniformes foram confeccionados pela Lili Figurinos. E o supermercado Assaí doou R$ 2 mil em carne para realização do churrasco. O restante dos gastos foi pago através do crowdfunding realizado pela internet. A meta era de R$ 2.700, mas superou as expectativas e chegou a R$ 3.745.

“Brasileiro tem big coração, muito bom”, é um dos motivos que apesar da saudade da família na Síria, Amani não quer voltar para o país de origem. “Pela filha eu não volto, aqui muito bom para todo mundo”.

 

(Adus – 30/06/2014)



Categorias:refugiados

%d blogueiros gostam disto: