BYE BYE PROGRESSO…

A ascensão dos conservadores no Congresso dificultará a reformas migratória.

O representante de Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Andres Ramírez, revelou a sua “preocupação” com a lei migratória do Brasil. Ele afirmou nesta segunda-feira (02/02/2015) que está “preocupado” com o estado atual da legislação migratória brasileira, o Estatuto do Estrangeiro, criado durante a ditadura militar, e pediu sua revisão.

“Apesar de o nosso foco estar nos refugiados, estamos preocupados com o fato de que não se tenha aprovado uma nova legislação migratória. A lei foi criada na época da ditadura e é necessário que seja atualizada de acordo com a realidade do país”, opinou Ramírez em entrevista para a Agência Efe, após um debate em São Paulo sobre a situação dos imigrantes.

Sancionada pelo general João Baptista Figueiredo, o último presidente militar, a lei proíbe a participação política dos imigrantes e prevê que um estrangeiro pode ser expulso do país se for flagrado pedindo dinheiro nas ruas ou se for visto como uma “ameaça à segurança nacional, à ordem política e social”.

Para Ramírez, o Estatuto do Estrangeiro é uma contradição se comparado com a legislação do país em matéria de refugiados, uma das “mais modernas”, que permite a qualquer pessoa em “situação de fundamentado temor de perseguição” solicitar asilo no país.

De acordo com a coordenadora de assuntos de política externa e direitos humanos da Ong Conectas Direitos Humanos, Camila Asano, a situação ainda é mais preocupante se forem consideradas “as conquistas” dos setores mais conservadores da política brasileira, especialmente no Legislativo.

“Para que o Brasil seja um modelo na política migratória e abandone o papel dos países violadores de direitos humanos é necessário mudar as leis e, para isso, é necessário um Legislativo comprometido com essa causa”, destacou Camila.

A Câmara dos Deputados e o Senado inauguraram no domingo uma nova legislatura, que se caracteriza por ser majoritariamente conservadora em assuntos sociais e liberal em assuntos econômicos, segundo o perfil elaborado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Na opinião de Camila, a ascensão de representantes de setores conservadores dificultará a realização das reformas necessárias.

“Não podemos deixar que as forças conservadoras que chegaram ao Congresso obstruam esta reforma (da lei migratória)”, frisou a coordenadora da Conectas.

(Terra – 03/02/2013)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: