TRAFICANTES DE GENTE

Seis em cada dez haitianos que chegam ao Brasil entram sem visto e com a ajuda de coiotes.

Nos últimos quatro anos, mais de 38 mil haitianos já cruzaram a fronteira do Brasil sem visto: todos com a ajuda de coiotes, contratados ainda no Haiti para ajudá-los a chegar por aqui. Um investimento alto, que pode superar os US$ 5 mil. É o que mostra uma pesquisa da Organização Internacional para Imigrantes, obtida com exclusividade pela CBN.

Segundo o levantamento, eles representam quase 60% dos haitianos que chegam no país, já que apenas cerca de 30 mil conseguiram o visto na embaixada brasileira. Durante a viagem, 63% deles são furtados e chegam no Acre sem dinheiro algum.

Foi o caso de Basilien Gené, de 28 anos, que está abrigado na Missão da Paz, no bairro da Liberdade, em São Paulo. Ele saiu há 20 dias do Haiti e pagou US$ 4,5 mil para um coiote. Durante a viagem, precisou desembolsar mais US$ 1,5 mil em propina para policiais no Peru e no Equador. Sua mala, com todas as roupas, foi furtada no meio do caminho. Em francês, Basilien conta que tentou por um ano o visto na embaixada, mas não foi atendido.

‘Não é fácil conseguir o visto na embaixada. Nesse momento, as pessoas não conseguem tirar o visto por US$ 200. Eu tentei ligar para a embaixada durante meses e sempre dá ocupado. Quando me atenderam, nem meu nome pegaram. Tem pessoas que ficam meses esperando. Por isso que optei por pagar o coiote e vir ilegalmente. Não podia demorar mais.’

O pesquisador da OIM, Duval Fernandes, avalia que a entrada irregular dos imigrantes é responsável pela condição vulnerável dos haitianos no Brasil. Caso entrassem com visto, poderiam até mesmo ajudar a movimentar a economia brasileira.

Nesta semana, a embaixada brasileira anunciou que vai tentar coibir a entrada ilegal com uma campanha para aumentar o número de vistos. O governo brasileiro subirá de 600 para dois mil vistos mensais para haitianos interessados em viver no Brasil. Enquanto isso não acontece, imigrantes como Leslí Gabriel, de 35 anos, caem em golpes em busca da autorização para entrar no país. Ele chegou a pagar US$ 2 mil para um coiote com suposta influência dentro da embaixada para agilizar o visto, mas não teve sucesso.

‘É muito difícil o visto para o Brasil. Eu não sou de Porto Príncipe e não consigo ir até lá para fazer o visto. O telefone está sempre ocupado. Por isso paguei para um coiote para agilizar o visto para mim, só que ele sumiu. Sumiu com todo o meu dinheiro. Fiquei mais dois anos juntando dinheiro para vir pro Brasil.’

Leslí gastou um total de US$ 8 mil, entre coiotes e propinas para chegar ao Acre. Ficou preso durante dois dias no meio da Amazônia porque não tinha mais dinheiro para continuar viagem. Só foi liberado quando a família enviou a quantia para pagar aos coiotes. Praticamente todos os 135 haitianos que chegaram em São Paulo nos últimos dias fizeram o mesmo trajeto e passaram pelas mesmas dificuldades. A Agência Brasleira de Inteligência estima que a rede de coiotes já faturou US$ 60 milhões em quatro anos.

A CBN fez contato com o Ministério das Relações Exteriores para comentar o assunto, mas não teve retorno.

Edgar Maciel

(CBN – 23/05/2015)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: