ILUSÕES PERDIDAS – A SÉRIE

A saga dos dos imigrantes negros na Serra Gaúcha, em 15 atos.

DO SONHO À DECEPÇÃO

Brasil das manchetes internacionais positivas, que crescia economicamente mais do que os Estados Unidos e gerava empregos de forma recorde, encantava o mundo como o oásis das oportunidades no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff (PT). Foi neste contexto, em 2011, que milhares de haitianos começaram a migrar atrás do sonho tropical de prosperidade. Logo depois vieram os senegaleses, num movimento comparado ao da própria colonização italiana em seu início.

Em cinco anos, uma população estimada de 15 mil pessoas se deslocou para a Serra Gaúcha, polo industrial com necessidade crescente de mão de obra. Porém, bastou meia década para o sonho virar decepção. Com a crise econômica e política intensificada a partir de meados de 2014, dezenas de milhares de postos de trabalho começaram a ser fechados, e os imigrantes foram lançados a uma armadilha da qual não conseguem escapar.

A vontade de desistir ou o arrependimento de ter se lançado à diáspora não vieram apenas em decorrência da falta de oportunidades de emprego. Na esteira da escassez de oportunidades, os negros veem seus direitos básicos desrespeitados, são vítimas de racismo e têm de viver longe de seus familiares. A situação é agravada pela dificuldade de avançar no domínio da língua portuguesa.

A inserção na sociedade local, em muitos casos fechada e conservadora, é quase nula. Ciente de todos esses problemas, um grupo de líderes destas comunidades, amparados pelo Centro de Atendimento ao Migrante (CAM) de Caxias do Sul, entregou, em março deste ano, um documento à Comissão de Direitos Humanos do Senado relatando o sofrimento e as mazelas enfrentadas pelos imigrantes.

O assunto, já tratado por pesquisadores como uma das principais questões humanitárias contemporâneas do Brasil, é ignorado pelo poder público, o que traz consequências culturais e sociais preocupantes. Ao longo de um mês, o Pioneiro foi ao encontro de personagens que vivem este dilema na Serra Gaúcha. São as suas histórias de drama e superação, invisíveis para quem deveria enxerga-las, que ilustram a reportagem especial que você começa a ler agora.

ELES QUEREM TRABALHAR

Sem emprego, haitianos e senegaleses não conseguem mandar dinheiro para seus familiares e sentem vergonha de dizer aos que dependem deles que “falharam”

Com os olhos marejados e a expressão cansada após mais um dia na batalha por uma oportunidade de trabalho, o haitiano Robens Joseph, 27 anos, desabafa:

— Por favor, alguém me ajude a ir embora para outro lugar.

Ao deixar para trás, em Porto Príncipe, o filho de cinco anos e uma carreira incipiente como professor de matemática, Joseph não imaginava que passaria todos os dias de sua nova vida na Serra sem trabalhar. Há seis meses, hospedado por uma prima, chegou em Caxias do Sul atraído por oportunidades que seriam abundantes. Nunca foram. E não faltaram tentativas. Joseph bateu às portas da agência do Sine/FTGAS pelo menos 11 vezes e não recebeu qualquer chance. Procurou algumas empresas da cidade e ouviu, em mais de uma, que negros não eram bem-vindos no momento.

Orientado pela prima, recorreu ao Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), entidade que reúne os estrangeiros, uma vez por semana, e oferece vagas formai — quando elas existem. No dia 29 de março, ele foi até lá. E só havia duas chances para 13 pretendentes. Com dificuldade em descrever as próprias habilidades em português, Joseph ficou quase toda aquela manhã preenchendo um currículo. Desanimado e sem esperança de que a situação vá melhorar, está focado em arrumar dinheiro para procurar um local diferente, de preferência Curitiba ou Rio de Janeiro. Para o haitiano, o Rio Grande do Sul é uma história a ser esquecida:

— Vim por algo melhor. Lá, depois do terremoto (de 2010, que causou a morte de mais de 200 mil pessoas e um prejuízo de US$ 7,9 bi), não tem nada. Eu tento aqui todos os dias e também não tem nada. Não sei como Deus vai me ajudar agora.

Ele é um dos milhares de imigrantes que abandonaram tudo na expectativa de um futuro decente no país que era visto mundo afora como a terra dos sonhos. Com a economia em alta até o final de 2013 e carência de mão de obra, o Brasil abrigou uma massa de africanos e caribenhos (ainda não calculada oficialmente) que, até o início da crise que culminou com taxas recordes de desemprego — 11 milhões de pessoas segundo dados publicados no dia 29 de abril —, podiam escolher onde trabalhar tamanha a oferta de vagas, alimentada também pela realização da Copa do Mundo.

A perspectiva era tão animadora que alguns empresários da região chegavam a viajar para recrutá-los assim que ingressavam no país, geralmente pelas regiões Norte e Sudeste. Porém, com o início da recessão, eles foram jogados para fora do mercado e permanecem no limbo.

A maioria não tem condições de sustentar as famílias que ficaram e tampouco pode voltar porque não consegue pagar as despesas da viagem. Além disso, boa parte sente vergonha de admitir que “falhou” e até mente para os parentes que tudo corre bem. A solução, muitas vezes, é recorrer à informalidade e aos riscos de infringir a lei.

— As pessoas estão uma pilha de ódio, e o imigrante se torna o bode expiatório. Muitos dizem que eles ganham recursos do governo e tiram os empregos de quem é daqui. Nada disso é verdade — atesta a irmã Maria do Carmo dos Santos Gonçalves, coordenadora do CAM.

DESEMPREGO, EXCLUSÃO E ABUSOS

O que era para ser a inclusão de novas culturas por meio do trabalho tornou-se exclusão com a elevação do desemprego. À medida que a crise brasileira se agrava, aumentam os relatos de demissões por “justa causa” e crimes trabalhistas

A maior cidade do interior do Rio Grande do Sul recebeu uma leva significativa de estrangeiros por causa de seus polos industriais e pela variedade de serviços, que a colocam no mapa internacional das migrações laborais. De acordo com Vania Herédia, pesquisadora da Universidade de Caxias do Sul (UCS) com pós-doutorado em História Econômica na Itália, soma-se a isso o fato de que a preferência por cidades médias faz com que o imigrante tenha melhores condições de se integrar.

Os haitianos, devastados pelo terremoto de 2010, chegaram antes e com status de refugiados — a boa relação com o governo brasileiro, que lidera a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) desde 2004, facilitou a obtenção da cidadania, um diferencial em termos legais. Já os senegaleses, sem opções numa Europa em retração há oito anos, cruzaram o Oceano Atlântico para tentar a sorte primeiro na Argentina, depois na Serra Gaúcha.

No livro “Migrações Internacionais — o caso dos senegaleses no Sul do Brasil”, Vania fez uma análise, junto com outros estudiosos do tema, da realidade de quase 2 mil africanos, entre os anos de 2010 e 2014, e chegou a uma conclusão: eles são visíveis nas ruas e invisíveis no mercado.

O que era para ser a inclusão de novas culturas por meio do trabalho tornou-se exclusão com a elevação do desemprego. À medida que a crise se agrava, aumentam os relatos de demissões por “justa causa” com flagrantes desrespeitos às garantias trabalhistas, cometidos dentro de empresas por chefes e colegas.

O haitiano Mavius Jean, 53 anos, sentiu isso na pele. Há dois anos, ele era empregado da construção civil em Caxias do Sul e desenvolveu uma doença que quase o deixou estéril. Obrigado a carregar blocos pesados de pedra, recorda que era molestado simplesmente por ter vindo de longe. Quando adoeceu, foi descartado sem receber o que lhe era de direito.

— Fiz um visto, paguei US$ 200 e pensei que seria diferente. Agora, o que quero é um lugar para viver tranquilo, em paz. Meu chefe maltratava os funcionários negros. Quando tive o problema, fui mandado embora sob a alegação que tinha pouco serviço. Não foi. Ele abusava. Bem diferente da forma que lidava com os brasileiros — denuncia.

Vânia Herédia ratifica, com base em quatro anos de pesquisas, que as condições de trabalho para Mavius e seus pares são realmente precárias. Eles enfrentam longas jornadas, condições insalubres, salários abaixo do valor de mercado e episódios degradantes. Com exceção do CAM, iniciativa levada adiante por voluntários e pessoas ligadas à Igreja Católica, não há estruturas capazes de dar o atendimento complexo que a situação exige.

— Faltam serviços só para eles. É impossível afirmar que não existe lugar para imigrantes quando a cidade é constituída historicamente por migrantes de todas as regiões. Sem serviço, não há orientação. Não basta um setor na rodoviária para dizer “vão para o CAM”. Depois que eles entram, não há como simplesmente devolvê-los. É um problema de compreensão política. Falta uma visão afinada com o que acontece no mundo — aponta a pesquisadora da UCS.

SEGREGAÇÃO QUE REVOLTA

Documento enviado ao Senado em março de 2016, assinado por entidades ligadas aos imigrantes, acusa o Brasil de não cumprir as obrigações assumidas perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos

Para os imigrantes com ensino superior completo ou encaminhados em alguma carreira, a frustração é ainda maior. Martine François, 35 anos, tentou validar no Brasil o curso de Filosofia que estava prestes a concluir no Haiti e não conseguiu o reconhecimento do Ministério da Educação (MEC). Teria de fazer tudo novamente, em uma universidade brasileira.

Sem condições financeiras para pagar os estudos, ela interrompeu a formação e procurou emprego. Conseguiu como caixa em um posto de gasolina em Caxias. Sem entender bem o português, foi deslocada da função e virou frentista. Por fim, acabou demitida e está há um ano sem trabalhar.

— Achava que faria um intercâmbio, conheceria pessoas, aprenderia a língua. Não tem quem ensine, não acontece nada. Dá saudade da vida de antes. Não me divirto, só fico em casa — desabafa ela.

Com um filho de menos de dois anos nascido na Serra, Martine se apoia no marido, o também haitiano Seide Illioca, para não passar fome. Técnico em eletromecânica e funcionário de uma companhia de produção de materiais de fricção, ele está desiludido com o que considera uma propaganda enganosa. Illioca afirma que, desde dezembro, vários amigos já partiram para outros locais atrás de mais oportunidades.

A renda dele, de R$ 1,2 mil, mal dá para cobrir os custos com o aluguel de uma casa simples, alimentação, internet, necessária para falar permanentemente com os familiares, e roupas para a criança. O projeto de enviar dinheiro para o Haiti foi arquivado. Revoltado com episódios racistas que vivenciou, ele prefere passar os dias recluso e evitar confusões.

— Não saio de casa para ouvir algo que não gostarei. Vou perder a calma. As pessoas fazem perguntas e falam coisas que desmancham o coração. Há brasileiros humanos, mas também há vários que acham que a cor branca da pele pode levá-los ao céu. Sou um cara nervoso. Você é branco e eu imigrante? Sim, sou mesmo, e daí? Não tem um país que cresça sem a força do imigrante — pondera.

Os abusos motivaram o CAM, a Associação dos Imigrantes Senegaleses e outras entidades do Fórum Permanente de Mobilidade Urbana (FPMH) a enviara
em ao Senado, em março deste ano, um pedido de socorro. Nas 10 páginas do documento, eles cobram o país por não cumprir as obrigações assumidas perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Entre as reivindicações, assinalam que “as pessoas migrantes se encontram em situação de extrema vulnerabilidade; que é urgente a criação de políticas públicas de saúde, educação, trabalho, moradia e cultura destinadas especificamente para a população migrante; que o mito de que a sociedade brasileira é tolerante ajuda a perpetuar o racismo e a xenofobia, e que os casos de violência sofridas pelos imigrantes Jean Wesly Moriseme (morto em outubro de 2015, em Flores da Cunha) e Cheikh Tidiane (assassinado em fevereiro de 2016, em Caxias do Sul) exigem uma resposta coerente e articulada do Estado”.

*****

O que é cobrado do governo brasileiro

1. Revogação do instituto da deportação e da expulsão
2. Responsabilidade compartilhada entre União, Estados e municípios para atendimento aos imigrantes
3. Investigações e punições para as mortes de Jean Wesly Morisemi e Cheikh Tidiane Diol
4. Treinamento para profissionais de saúde para melhor atendimento aos imigrantes
5. A garantia do livre comércio de rua para os que não conseguirem empregos formais
6. Fornecimento de visto a outras populações, além da haitiana, que enfrentem crises humanitárias
7. Criação de comitês municipais de atenção a essas populações
8. Realização de audiência pública no Senado para tratar do assunto

*****

500 AÇÕES TRABALHISTAS NA JUSTIÇA

Em dois anos de atuação na Serra, advogado já ingressou com mais de 500 ações em defesa dos imigrantes e testemunhou o crescimento do número de doenças ocupacionais e acidentes que geram incapacidade

A falta de domínio do português contribui para aumentar a vulnerabilidade dos imigrantes negros no mercado de trabalho e apartá-los do convívio social. Sem entender a língua e com grandes dificuldades de comunicação, eles são facilmente enganados. Os casos mais comuns envolvem assédio moral, multas rescisórias e horas-extras não pagas e dispensas irregulares. Reféns da própria sorte, haitianos e senegaleses precisam da ajuda de intérpretes no dia a dia. Do contrário, ficam reféns de patrões que, muitas vezes, atropelam a lei em benefício próprio.

Foi graças ao CAM e ao advogado Ricardo Bertoncini Belinzoni, especialista em Direito Trabalhista, que esse histórico de silêncio e humilhação começou a ganhar voz. Em dois anos de atuação na Serra, Belinzoni já ingressou com mais de 500 ações na Justiça em defesa dos imigrantes. Ele testemunhou o crescimento do número de doenças ocupacionais e acidentes que geram incapacidade.

Como exemplo, cita um jovem de 22 anos que ficou cego de um olho após dar uma martelada em um prego. O tratamento só foi pago pela empresa depois da ação judicial. Por outro lado, o advogado fala que os empregadores perceberam que os imigrantes começaram a se organizar para lutarem pelos próprios direitos.

— Quando eles são demitidos, isso causa um impacto muito maior do que na vida de alguém que é daqui. Eles são cobrados por quem fica no país de origem. Por tudo isso, há bastante preocupação — afirma.

O principal objetivo de Belinzoni é estimular toda a comunidade de haitianos e senegaleses da Serra a denunciar situações como a de um funcionário que foi advertido sem entender o motivo e, logo em seguida, acabou demitido por justa causa. Ou de outro que foi empurrado por uma colega brasileira na fila para bater o ponto e recebeu como punição a rua, também com justa causa.

— Eles ouvem: “Vai sem as (multas) rescisórias porque aqui é assim, melhor não procurar a Justiça se quer outro emprego”. O que está acontecendo é a colocação de pessoas numa cultura de assédio pré-existente. A gente não pode dissociar o contexto também do racismo — ressalta Belinzoni.

O vice-presidente de Indústria da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias, Carlos Zignani, não acredita que exista tratamento diferenciado para os imigrantes negros. Segundo ele, as empresas, esgoeladas pela crise, tentam sobreviver, e para isso acabam preferindo, naturalmente, um trabalhador local porque investem menos recursos e tempo de treinamento. Ele acredita que com a recuperação da economia e a demanda por mão de obra, o cenário tende a melhorar também para os estrangeiros. Mesmo assim, reconhece que algumas coisas precisam ser corrigidas:

— Falar nisso é complicado. Nós todos aqui somos imigrantes. Um dia, alguém veio visitar essa terra e ficou. Talvez tenhamos esquecido um pouco de falar do tema, mas creio que a comunidade de Caxias, como um todo, pode fazer mais.

“É PRECISO LUTAR PARA INTEGRÁ-LOS”

Educadora responsável por divulgar semanalmente aos estrangeiros as vagas de emprego disponíveis na Serra, a francesa Solveig Dufrène, 27 anos, defende que as pessoas façam uma reflexão sobre as consequências sociais do que está ocorrendo com os imigrantes. Em reuniões no CAM, ela ajuda haitianos e senegaleses a elaborar um currículo e a fazer a carteira de trabalho. Para Sol, como é chamada a francesa, é necessário uma integração total com a comunidade. Confira os principais trechos da entrevista concedida ao Pioneiro:

Qual a grande dificuldade que os imigrantes estão enfrentando? A situação é preocupante?

Preocupa, sim. A gente vê toda essa dificuldade que inclui entender por que fazer o currículo, onde entregar, se a pessoa vai ligar de volta, se eles têm que voltar lá. Eles têm muitas dúvidas com relação a isso. Também acham pesado e complexo demais o processo de contratação. Essa compreensão de como funciona o mercado de trabalho é o mais difícil. E isso ocorre nos dois sentidos: as pessoas também têm dificuldade em entendê-los e eles muitas vezes se frustram. Por ser um fenômeno recente, ainda há empresas que não estão preparadas. Não é questão apenas do idioma, mas de se colocar no lugar do outro e entender que limitações eles têm. Vai além da palavra. Coisas que entre os brasileiros estão subentendidas, para um estrangeiro não funcionam da mesma forma.

Quanto tempo um imigrante costuma esperar até conseguir trabalho?

Há pessoas que estão aqui há seis meses ou um ano e ainda não conseguiram emprego. Depende bastante da experiência e da capacitação que ela tem. Quem chega com formação de trabalho na indústria está encontrando dificuldade, principalmente porque esse setor está em crise e não está contratando. Atualmente, há quem consiga vaga no comércio ou serviços como costura, cozinha e limpeza. Mas o que a gente via um tempo atrás, de cargos como auxiliar de produção, operador de máquina, soldados, não há mais oferta.

Qual o principal anseio deles?

É trabalho. Eles são muito racionais. Querem trabalhar. São pessoas que deixaram a família e têm como prioridade mantê-la. Há uma pressão muito grande sobre eles, cobrança quanto ao tempo que estão aqui e não mandaram nenhum dinheiro. Muitas vezes não contam tudo, dizem que está tudo bem, sendo que não têm o que comer ou onde ficar. Há o orgulho também, de saber que vieram para o Brasil e têm a responsabilidade de sustentar a família.

Isso faz com que alguns recorram ao trabalho ilegal, como o de ambulante. Como se lida com isso?

É uma questão complexa, porque precisamos ver os dois lados. Pelo do imigrante, é o lado do ser humano que precisa comer e tem que ganhar algum dinheiro para sobrevier. Do outro lado, há o poder público, pois se trata de um trabalho irregular e sujeito a fiscalização. Nós ficamos no meio disso. Eles chegam reclamando que tiveram apreendida a mercadoria, que não têm mais nada. E nós temos que mostrar que entendemos mas que não é permitido aquilo que ele faz. É preciso jogo de cintura, pois é uma situação bem difícil.

É fácil ver essa nova imigração de forma bem generalista. Mas quais são as principais diferenças entre haitianos e senegaleses?

Os haitianos, como vieram por meio de um acordo entre Brasil e Haiti, têm conseguido chegar no país por vias legais e com visto. Eles vêm com a ótica de se estabelecer aqui, muitas vezes são mulheres que vêm primeiro e depois trazem a família. Já os senegaleses são em maioria homens, que chegam sozinhos e entram por outros países da América do Sul, por não conseguirem visto. Aqui, entram com pedido de refúgio. Esses chegam com a ótica de ficar um tempo, mandar dinheiro para a família e partir para outro lugar. A própria religião deles (a maioria é muçulmana) cria uma pré-disposição de ir rumo ao desconhecido, assim como cria um sentido de comunidade muito forte. Isso é bom e é ruim, porque, se por um lado eles se ajudam muito, por outro dificulta a integração com os brasileiros.

Esses imigrantes terão chance de conseguir alcançar postos elevados nas empresas da Serra?

Alcançar a ascensão social como migrante é sempre difícil. Posso comparar com a França, onde a segunda ou terceira geração de famílias que chegaram no país nos anos 60 ou 70, período da descolonização da África, ainda estão tendo dificuldades. Continuam sendo o outro. É complexo, demorado, e é preciso lutar para integrá-los. Muitos imigrantes, principalmente os haitianos que vieram para cá, já tiveram filhos brasileiros. A questão é saber se daqui a 20 anos essa geração vai ser vista como brasileira.

Hoje, o que você diz ao imigrante que chega ao CAM cheio de sonhos?

Tento colocá-lo frente à realidade. Se a pessoa não fala português, não tem qualificação profissional e chega achando que vai ganhar R$ 1,5 mil ou R$ 2 mil, a gente explica que não vai. Ela não sabe que o salário mínimo não chega a R$ 800. As pessoas ainda têm a imagem do Brasil emergente, a nova potência mundial. Mas a conjuntura mundial mudou, e não apenas aqui. A atividade econômica não retomou, e o desemprego continua alto no mundo todo.

O DESESPERO DO ISOLAMENTO

Pela dificuldade em obter o visto de permanência no Brasil, imigrantes vivem o drama de não conseguir trazer suas famílias. Solitários, muitos apresentam quadros de estresse e alguns casos evoluem para enfermidades mais graves, como a depressão. Para os que pedem refúgio por razões econômicas, espera pode levar anos, sem nenhuma garantia de sucesso

Ao sair do Senegal em 2014, Ousmane Balde, então com 24 anos, tinha como missão poupar dinheiro para proporcionar um crescimento digno ao filho Mamadou — ainda por nascer — e melhores perspectivas a uma filha que recém terminara o Ensino Fundamental na capita, Dakar. Desempregado no país africano, ele deixou a mulher, grávida de oito meses, para tentar a sorte em Nova Prata.

A primeira etapa da missão foi vencida. Depois de enfrentar os perigos de uma travessia que inclui Equador, Peru, a fronteira com o Acre e “coiotes” (traficantes humanos) armados, o imigrante foi contratado por uma empresa de segurança privada. Mas a saudade de casa e do filho, que sequer conhece pessoalmente, o fizeram abandonar o sonho dois anos após o desembarque na Serra Gaúcha.

Ousmane esbarrou em obstáculos que venceram seus esforços em reunir a família no Brasil. Para poder trazê-los, ele necessita de visto de permanência no país, documento que muitos esperam anos e frequentemente não conseguem. A dificuldade tem afetado especialmente os milhares de senegaleses que ingressam de forma irregular e precisam contar com a clemência de órgãos federais para serem reconhecidos como cidadãos.

— Gastei muito para ir até Brasília e ouvir da Polícia Federal que eu não era um problema deles. Existem as listas de espera, onde poucos senegaleses são atendidos. Sei que para os haitianos é mais fácil devido à cooperação entre os países. Porém, toda vida humana deveria ser considerada importante. O Brasil não tem pena dos senegaleses. Nós não somos criminosos, somos trabalhadores — desabafa.

Skype estreita os laços familiares

Mesmo distante mais de seis mil quilômetros do rebento, Ousmane não passa um dia sequer sem acompanhar o crescimento de Mamadou. Quando não está no trabalho, vai para casa e faz contato com a família por meio do Skype, software que permite chamadas internacionais pela internet. A residência, localizada no bairro Basalto, é o único lugar onde o senegalês se sente bem.

— Todos os estrangeiros que estão longe de seus parentes sabem o quanto é complicado. A gente só vive do trabalho para casa, liga o computador e fica na internet conversando. Sair para a rua é correr risco de apanhar ou ser morto, como já aconteceu em Santa Maria, Caxias do Sul e Flores da Cunha — afirma.

Decidido a retornar à Africa, Ousmane vai buscar acolhimento em outro país. Na cultura senegalesa, a família costuma investir em somente um primogênito — o que aparenta ser mais inteligente — para mandá-lo a algum local do planeta para estudar e trabalhar. Quando não dá certo em um lugar, é feito um acordo entre todos os membros para definir o novo destino.

Assim ocorrerá com Ousmane. Daqui para frente, a ilusão de criar o filho no Brasil não passará de uma memória ruim. Independente de onde estiver, ele garante que a prioridade é assegurar que Mamadou cresça sob a sua responsabilidade e seus valores muçulmanos:

— Todo homem luta pela família. Eu sou o único pai que meu filho vai ter. Se minha mulher decidir casar com outro homem, ele não vai ter pena do meu filho, que é quem vai acabar sofrendo.

*****

Reunião depende de refúgio

— O pedido de reunião familiar é um direito conferido a cônjuge ou dependente de cidadão brasileiro ou estrangeiro residente no Brasil.
— Haitianos encontram dificuldades menores, pois chegam ao Brasil na condição de refugiados devido a um acordo de cooperação entre os dois países. Para esta população, obter a documentação costuma ser uma questão de tempo, embora a demora possa ser de meses. Para estrangeiros que chegam sem a devida documentação, como os que entram por países que não pedem visto, é preciso solicitar refúgio por razões econômicas.
— Houve aumento de 2.000% no pedido de refúgios no Brasil na comparação entre 2010 e 2014, segundo dados da ONU. Foram 25.996 pedidos em 2014, enquanto 2010 teve 1.165. Além de Haiti e Senegal, Gana e Bangladesh são os principais responsáveis pelo crescimento da demanda no período. A Síria ainda é o país com o maior número de refugiados no país.
— Além do direito à reunião familiar, apenas com o visto o imigrante tem acesso à educação e saúde públicas, além de carteira de trabalho.

*****

A AGONIA DE DOMINGAS

Esposa de haitiano precisou superar a burocracia e a lentidão para comprovar união estável e obter o direito de trazer da República Dominicana os três filhos e a mãe

Até que Caxias do Sul virasse um lar para a família da dominicana Domingas Sanchez, 35 anos, o caminho foi longo e sofrido. Para viajar ao Brasil ao encontro do marido, Kenol Fabre — haitiano que migrou após o terremoto que destruiu Porto Príncipe em 2010 —, Domingas abriu mão de um rentável restaurante na cidade de Monsenhor Nouel, a 77 quilômetros da capital, Santo Domingo. Deixou na América Central também a mãe e os três filhos de outro casamento, com a certeza de que na Serra Gaúcha teria uma vida próspera com os entes queridos. Dois enganos.

De posse de um visto de turista válido por três meses e sem carteira de trabalho, Domingas não arrumava emprego e vivia sob a ameaça de ser expulsa do país. Segundo ela, o tratamento dado pela Polícia Federal em Caxias do Sul foi hostil. Sem apoio do Estado, a caribenha e o marido também não conseguiam comprovar o regime de união estável. Um dia, desatou a chorar em uma praça, quando chamou a atenção de um pedreiro haitiano que passava e viu a cena.

— Ele perguntou o que eu tinha e expliquei que não me davam documento, que eu não conseguia trabalhar. O homem ficou com pena, me levou até o chefe dele e o convenceu a me contratar. Mas logo fui cobrada para que resolvesse minha situação o quanto antes — conta ela.

O serviço em uma empresa que faz todo tipo de consertos era desgastante. Envolvia desde pintar paredes até carregar tijolos, atividade pouco comum para uma mulher. Enquanto trabalhava na reforma de uma escola, chamou a atenção da diretora, que a convidou para cuidar de cavalos e ovelhas em sua chácara. Não era exaustivo.

Porém, rendia pouco: R$ 700 por mês. Contudo, foi essa patroa quem a aproximou do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), onde Domingas finalmente teve ajuda para comprovar a união estável e receber o visto de permanência de um ano. Regularizada, era hora de juntar a família.

Com a mesma patroa, a dominicana aprendeu lições básicas para limpar casas e, como faxineira, chegou a trabalhar em 10 residências no bairro Cruzeiro. Cobrando R$ 100 por serviço, juntou R$ 18 mil para ir buscar os filhos e a mãe. Em seguida, recebeu a oferta de trabalhar com carteira assinada em um único local, sendo faxineira e responsável pelo almoço.

Com visto para permanência de dez anos obtido em fevereiro, a imigrante não pensa em deixar o Brasil, mesmo que por aqui vida não seja tão tranquila e o salário não se compare ao do tempo de dona de restaurante. O marido trabalha em uma metalúrgica, e os filhos como segurança em um supermercado e atendente numa sorveteria. Quem não se adaptou e retornou foi a mãe, Flora, que prefere o calor do Caribe.

— Eu gosto do Brasil. Não se ganha tão bem quanto imaginei, mas dá para ter uma vida legal. As pessoas me ajudam. Tive sorte, pois nunca encontrei alguém que não gostasse de mim — relata Domingas.

Ronny, um dos filhos dela — que espera arrumar emprego para começar a fazer faculdade —, também não pensa em deixar o país tão cedo. Só voltaria à República Dominicana para abrir um negócio, algo que considera mais fácil em seu país do que no burocrático Brasil.

— Temos uma vida bem normal. Muita gente gostaria de ter o que temos aqui, inclusive brasileiros — garante o jovem.

MAL SILENCIOSO E PERIGOSO

Quem vive e estuda o dia a dia dos imigrantes aponta a necessidade de atentar para a saúde mental daqueles dos que não contam com uma rede de apoio. Caso de haitiano assassinado em Flores da Cunha após surto é usado como exemplo

Longe de familiares e sem apoio profissional adequado, muitos imigrantes apresentam quadros de estresse e apatia. No contato com seus entes, parte deles prefere esconder a situação, já que o orgulho é um elemento forte da figura masculina para haitianos e senegaleses. O acúmulo de emoções, contudo, pode ser difícil de controlar quando extravasado.

A psicóloga comportamental caxiense Lisane Neves, que entre 2005 e 2007 trabalhou junto a expatriados nos Estados Unidos, ressalta que a sensação de desamparo provocada pela solidão forçada interfere na adaptação dos imigrantes à nova cultura. Porém, exceto em casos extremos que evoluem para depressão, trata-se de um problema que deve ser resolvido com uma rede de apoio, e não clinicamente:

— Reconhecer que não se trata de um quadro psiquiátrico, exceto em alguns processos mais prolongados, ajuda a entender a situação e oferecer ajuda. Ainda que nada substitua a família, o que o imigrante precisa é de uma rede de apoio que o acolha e dê referências. Procurar as comunidades com os quais ele se identifica, oferecer condições para que eles aprendam o português e possam resolver questões práticas. Sinto que falta essa estrutura às nossas instituições — comenta Lisane.

A coordenadora do Centro de Atendimento ao Migrante em Caxias do Sul, irmã Maria do Carmo Gonçalves, considera a reunião familiar um dos dilemas mais graves enfrentados pela imigração negra no momento:

— Estar há anos esperando pela documentação que permita pedir a reunião familiar gera uma série de dramas. Quem fica doente, por exemplo, vai apelar pra quem? Nisso há outro problema pesado, que é a saúde mental. Avaliamos pessoas que deveriam retornar para o seu país. Em casos extremos, elas surtam.

Maria do Carmo recorda do haitiano Jean Wesly Moriseme, assassinado em outubro de 2015 em Flores da Cunha, aos 28 anos. Moriseme, que morava com outros três haitianos, sofria de forte depressão. No dia da morte, provocou confusões no centro de Caxias e na rodoviária de Flores da Cunha, onde foi preso.
Mais tarde, se envolveu em brigas ao longo do dia até ser baleado por PMs por volta das 23h30min. Morreu com um disparo único no joelho direito.

Brigadianos alegaram que Moriseme avançou contra a equipe que o deteve e arrancou um pedaço do dedo da mão de um deles com uma mordida. A atuação dos servidores é investigada.

AÍ VEM O ‘SER’ SENEGAL

Formado por 20 jovens, time amador de africanos busca oportunidades profissionais na dupla Ca-Ju. Em abril, o Pioneiro acompanhou um amistoso entre a equipe e o sub-20 do Juventude

Organizados de forma caprichosa em três bancos de madeira no vestiário do centro de treinamento (CT) do Juventude, em Caxias do Sul, 16 uniformes com o emblema da seleção do Senegal esperavam a chegada de mais do que um simples time amador do país na manhã de sábado, dia 2 de abril. As camisas verdes e os calções vermelhos simbolizavam para aquela equipe africana comandada pelo ex-volante do Caxias Júnior da Rosa, 39 anos, uma rara oportunidade de sucesso na Serra Gaúcha.

Através do futebol, os jovens nutrem a expectativa de serem vistos pelos dois principais clubes da região e encontrar um futuro que não acham no mercado de trabalho. Por isso, na partida amistosa realizada contra o sub-20 do Juventude, os imigrantes se entregaram como se disputassem uma Copa do Mundo. Apesar da grande diferença técnica e tática, perderam por apenas 1 a 0. Na beira do gramado, o treinador do Juventude alertou seus atletas:

— Os caras são fortes e rápidos. Entrem para valer. Se não, vai ser f…

Dentro das quatro linhas, as barreiras que separam senegaleses e gaúchos foram derrubadas pela língua universal do futebol.

— É muito bom jogar bola. A gente espera que alguém nos veja. Meus amigos são talentosos — diz Papa Mbaye, 26 anos.

Lesionado, o zagueiro serviu de auxiliar técnico e passou instruções aos colegas em wolof, um dos idiomas falados no país. Foi por causa do esporte que ele e Júnior da Rosa se conheceram. Ambos trabalham na Marcopolo, mas nunca tinham conversado. Até que se encontraram numa partida amadora. Desde então, o contato estreitou ao ponto de formarem juntos um time.

Outros africanos se incorporaram, e há quatro meses a equipe, batizada de SER Senegal, treina todos os finais de semana. Aos poucos, Juventude e Caxias têm demonstrado interesse em conhecê-los. Porém, nenhum dos jogadores foi chamado para um teste até o momento.

— Eles têm uma garra impressionante, isso que uns até passam fome. É um povo que sonha em se profissionalizar — afirma Júnior da Rosa.

Morte não impediu a entrada em campo

A tão sonhada chance de brilhar para os olheiros da dupla Ca-Ju apareceu no fim de fevereiro. Foi na preliminar do amistoso preparatório para o Gauchão, entre Caxias e Avenida, de Santa Cruz do Sul. Dentro do Estádio Centenário, em um gramado de dimensões oficiais, os imigrantes teriam contato com torcida e uma estrutura profissional, algo impensável para a maioria.

Porém, uma tragédia colocou-se como um obstáculo a mais na já difícil caminhada deles. Dois dias antes do encontro, Cheikh Tidiane foi assassinado em Galópolis, crime que abalou toda a comunidade senegalesa em Caxias. O time inteiro acompanhou o velório no dia 26 e foi sem dormir para o amistoso, sendo derrotado por 6 a 0. Mesmo no limite, os africanos foram à campo para não desfazerem o compromisso firmado com o clube caxiense.

— Se eu soubesse, tinha cancelado, mas fiquei sem meu telefone celular e só fui informado na hora. Eles tiveram hombridade e cumpriram com a palavra. São pessoas humildes — conta Júnior da Rosa.

UM TEMPLO QUE FALA CRIOULO

Igreja evangélica de Caxias do Sul cede espaço para cultos exclusivamente de haitianos. Todos os domingos, imigrantes se encontram no bairro 1º de Maio, rezam e cantam na sua língua e estudam as leis brasileiras

Entoado por cerca de 200 pessoas, um canto diferente reverbera todas as manhãs de domingo na periferia de Caxias do Sul. Numa igreja da Assembleia de Deus, haitianos rezam e pedem a Deus, em crioulo — a principal língua do país —, segurança e prosperidade na vida longe de casa. O idioma caribenho, semelhante ao francês, misturado a acordes de guitarra e baixo, toma conta do bairro 1º de Maio por duas horas semanais desde junho de 2014, em um ritual que vai além da religião.

É um encontro social e uma forma de demonstrar à comunidade que ali está um grupo que quer fazer parte da vida da cidade e ter voz. Para tanto, os imigrantes capricham no visual. Os homens usam roupas sociais, e as mulheres, lenços coloridos e seus melhores vestidos. As crianças seguem os mesmos modelos, e a liturgia é cumprida à risca: leitura da bíblia (em francês), pregação e doutrinação.

Cada um faz as orações como achar conveniente: ajoelhado, de costas para o altar, com os braços erguidos ou em silêncio. Homens e mulheres ficam em lados opostos para que o foco esteja somente nas palavras dos pastores e nas músicas. É um cenário que remete às igrejas do sul dos Estados Unidos, onde historicamente os negros se reúnem para reafirmar sua fé e seus valores.

— Eles são discretos e receptivos, respeitam os lugares. São pessoas que têm tudo para se dar bem porque são ordeiras. Até por estarem afastados de sua nação, querem ter um valor aqui — relata o pastor Jorge Lemos Cavalheiro, 51 anos, que ajudou a implantar a integração evangélica com os haitianos.

Conhecer e cumprir as leis

Ao perceber a aproximação tímida dos estrangeiros para os cultos, Cavalheiro reparou que eles não conseguiam acompanhar o que era falado e mesmo assim voltavam. Após algumas conversas com o pastor haitiano Dadou Sile, concordou em ceder a igreja para as celebrações em crioulo. Algumas vezes, ele prega e é traduzido simultaneamente por Sile. Uma das grandes preocupações da dupla é ensinar o funcionamento das leis e ajudar no aprendizado do português.

— Temos de nos colocar no lugar deles. Imagina se tivéssemos que ir embora: qual seria nossa reação? O que iríamos sentir longe da pátria? É uma dificuldade tremenda. Quem puder, precisa ajudá-los — fala Cavalheiro.

Como exemplo de superação, ele cita o próprio Sile, que chegou em Caxias há três anos e está totalmente integrado. Um dos filhos dele, por exemplo, já se considera “gringo”, fala português fluentemente e não quer ir embora.

— Eu digo que é uma escada, onde é preciso paciência e determinação para vencer o preconceito e as limitações. O principal é que não existe uma lei para nós e outra para os brasileiros. É uma só, e temos de cooperar com as autoridades. Assim, chegaremos à missão de transformar a realidade do cidadão que vive aqui — ensina o pastor haitiano.

*****

As religiões de senegaleses e haitianos

— Enquanto os haitianos são em sua maioria cristãos — católicos ou evangélicos —, os senegaleses são predominantemente muçulmanos. Seguem a ideologia do líder espiritual Cheikh Ahmadou Bamba (1853—1927), fundador do muridismo, uma das principais correntes do islã no Senegal.
— O principal evento religioso dos senegaleses é a Festa de Touba, nome em referência à cidade onde o corpo de Ahmadou Bamba está enterrado, no Senegal. Trata-se de uma celebração que ocorre em qualquer país onde haja imigrantes senegaleses, no 18º dia do calendário lunar (Safar) — data sem equivalente específico no calendário gregoriano adotado no ocidente. Em Caxias do Sul, o evento ocorre desde 2013, em espaços cedidos.
— Nos encontros religiosos, os senegaleses declamam poemas e entoam cânticos escritos por Ahmadou Bamba em referência ao profeta Maomé, fundador do islamismo. Frequentemente, os senegaleses em Caxias recebem a visita dos marabus — líderes religiosos descendentes de Ahmadou Bamba.
— No dia a dia, a religião é vivenciada em uma dahira (igreja) no porão de uma residência na Rua Bento Gonçalves, no centro.

*****

GARIBALDI NÃO ESPERA ACONTECER

Voluntários oferecem aulas gratuitas de português na biblioteca da cidade para os imigrantes. Ideia surgiu após experiência de uma pesquisadora na Nova Zelândia

No caderno do haitiano Jean Josius, 20 anos, as mudanças climáticas da região Sul do Brasil são assim descritas, em português impecável: “Durante o ano podemos perceber uma variação do tempo, mais acentuada em certas épocas. Isso ocasiona diferenças que vão caracterizar as quatro estações: primavera, verão, outono e inverno”. Com orgulho, ele mostrava os avanços no domínio da língua durante uma aula na biblioteca municipal de Bento Gonçalves, em abril deste ano.

Jean está aprendendo a se comunicar graças ao trabalho de 17 voluntários, que dão lições de forma gratuita no local, nas quartas-feiras e sábados. As classes, que chegam a ter mais de 30 pessoas, surgiram por iniciativa da pesquisadora da Embrapa Lucimara Antoniolli, 43 anos. Quando realizava pós-doutorado na Nova Zelândia, em 2013, ela e o marido foram beneficiados com aulas abertas de inglês para estrangeiros. Ao retornar à Serra, Lucimara pensou em reunir interessados em estudar o idioma e aplicar o método, mas logo percebeu que tinha muita gente necessitando aprender português.

— Além de treinar a língua, você acaba fazendo amizades. É gratificante — conta ela.

Desde o primeiro encontro, a presença aumenta gradativamente. Há crianças, adultos e idosos. Agrupados em mesas dispostas lado a lado, eles participam de trocas instrutivas e divertidas. No começo, os imigrantes, tímidos, pouco se expressavam. Agora, querem entender desde as frases corriqueiras do dia a dia até a conjugação dos verbos.

— Tem alguma coisa que você queira saber, Jean Revier? — questionou um voluntário.

— Quero saber tudo — respondeu o haitiano, arrancado risos dos colegas.

Os assuntos são diversos: a história de Bento Gonçalves, curiosidades sobre o chimarrão, como fazer um bom currículo, os times de futebol do Rio Grande do Sul.

— A gente foca em coisas das necessidades práticas deles também. Alguns vão ao médico, por exemplo, e não conseguem expressar o que sentem. Há dificuldade para compreender coisas como passar uma pomada — explica a coordenadora da biblioteca, Maria de Lourdes Matté.
Coral formado na biblioteca

A iniciativa de Garibaldi é pioneira na Serra. A cidade abrigou um número significativo de imigrantes nos últimos anos, principalmente do Haiti, recrutados para trabalhar em um frigorífico. A integração deles envolve as mesmas dificuldades de outros municípios da região, mas com uma diferença fundamental: a boa vontade da população.

Rose Pierre, 26 anos, mora em Garibaldi desde 2012. Quem a vê cantando a versão em português da música “We Are The World”, de Michael Jackson, nem imagina o quão difícil foi se comunicar nas primeiras semanas no Brasil. Hoje, ela lidera um coral formado nos encontros na biblioteca.

Dona de uma voz doce e potente, que se adapta à exigência da música, Rose é frequentadora assídua das aulas de conversação. Considera que a biblioteca a permitiu conhecer melhor outras realidades bem distintas, mesmo entre os compatriotas:

— Ter um grupo como esse ajuda a conhecer melhor as pessoas e ensina que a vida não é sempre como a gente pensa que ela vai ser. No meu caso, tive que aprender no trabalho mesmo, palavra por palavra. ‘Isso aqui é um frango’, ‘isso aqui é uma colher’ — recorda.

Como boa parte dos haitianos, Rose frequenta a igreja evangélica. Foi onde começou a mostrar seus dotes vocais, em cultos cuja formalidade nunca se acostumou:

— No Haiti, nossa forma de louvar a Deus é cantando e dançando, enquanto aqui as pessoas ficam paradas e quietas. Se me dá vontade, eu danço no meu canto mesmo — brinca.

QUANDO O SONHO VIRA REALIDADE

Exceção em uma cultura que não aplica a meritocracia para os imigrantes negros, senegalês conta como está conseguindo superar o preconceito e crescer profissionalmente

Se tem uma palavra que define o senegalês Bamba Thiam, 29 anos, é determinação. Em dois anos e meio na Serra, o africano aprendeu a falar português ouvindo rádio e assistindo à televisão, tornou-se supervisor em uma empresa de embalagens recicláveis e agora estuda para ser empreendedor. Exceção em uma cultura que não aplica a meritocracia para os imigrantes negros, Bamba alerta os compatriotas que pensam em vir para o Brasil de que a realidade é dura.

Como exemplo, usa a própria história de vida. Quando desembarcou em São Paulo, o senegalês dormiu durante dois dias em um banco na rodoviária da maior cidade do país porque não conseguia se comunicar. Após chegar ao Rio Grande do Sul, atraído pela demanda por mão de obra, conseguiu uma vaga na construção civil, em Caxias do Sul, onde diz ter sofrido humilhações diversas vezes.

— Meus colegas falavam que eu estava cheirando (cocaína) e que não tomava banho. Escondiam minhas roupas e enchiam meus sapatos de talco. Tenho problema nas costas até hoje por carregar blocos pesados de pedra — relata.

Bamba Thiam não esmoreceu. Ele deixou a África porque pretendia se especializar em engenharia mecânica — a família dele mantém um negócio no ramo há mais de 15 anos em Dakar — e melhorar de vida. Em vez de ir para a França, onde três de seus irmãos residem, optou pelo Brasil pois imaginava que receberia mais oportunidades de aprender sobre carros e caminhões do que na Europa. Apesar dos obstáculos, prometeu para si mesmo que não iria fugir do desafio a que se propôs.

— Eu vi como as coisas são. Depois de passar por tudo isso, falei para mim mesmo: vou morrer, sofrer, mas vou falar português! É importante saber a língua para resolver as coisas sozinho — garante ele.

A perseverança deu certo. Bamba recebeu uma proposta da Green Pack, em Caxias, para atuar como auxiliar geral. Comprometido, foi conquistando a confiança do dono, Jaques De Martini, 48 anos. Há cinco meses, veio a inesperada oferta para o cargo de supervisor. Uma das atribuições era mandar em colegas brasileiros.

— Ele é um funcionário como qualquer outro e tem o respeito do pessoal. Está produzindo, pagando imposto, gastando, usufruindo e fazendo a economia girar. Eu também sou imigrante, meu avô veio da Itália e foi acolhido aqui. Certas pessoas deveriam se colocar no lugar de quem chega de longe — comenta Martini.

A GALERIA AFRO

Em um prédio comercial no Centro de Caxias do Sul, africanos têm conseguido prosperar e ajudar uns aos outros por meio do trabalho

Na área central de Caxias do Sul, um prédio comercial na Rua Pinheiro Machado virou referência para a cultura senegalesa no Rio Grande do Sul. Em pequenas salas distribuídas entre os três pisos da Galeria Atrium, um grupo de imigrantes que se aventurou a abrir um negócio no Brasil começa a prosperar.

E tem conseguido até ajudar aos compatriotas com oportunidades de trabalho. No terceiro andar do edifício, muitos africanos e seus amigos se encontram para conversas sérias e descontraídas no salão de beleza de Demba Skhna, 27 anos, especializado em cortes e penteados afro.

Formado em Letras e pós-graduado em línguas estrangeiras, Demba fala seis idiomas e veio para o Brasil em busca de emprego como tradutor, intérprete ou professor. Por não conseguir se manter só com os poucos alunos particulares que arranjou, passou a atuar também na linha de produção de uma metalúrgica, emprego que hoje concilia com o salão, aberto há quatro meses.

— Eu costumava cortar os cabelos de amigos nos finais de semana, mas a procura começou a ficar muito grande, inclusive por negros brasileiros. Poucos profissionais sabem fazer os visuais afro, principalmente o degradê — conta o senegalês.

Com o aumento da procura pelo estabelecimento, Demba teve de contratar dois ajudantes: Modou Faye, 25 anos, que era motorista no Senegal e estava desempregado no Brasil, e Makhrary Mbaye, 28 anos, especialista em tranças rastafari.

— Aqui, nós nos ajudamos e compartilhamos as coisas boas que acontecem. É por isso que tantos senegaleses estão nessa galeria. Foi porque primeiro deu certo para um — afirma Modou.

O prédio abriga outras três salas mantidas por africanos: uma loja de roupas e acessórios femininos, outra de roupas masculinas — onde também é possível fazer ligações telefônicas para a África — e o atelier do artista Ousmane Ndiaye, 39 anos, que comercializa quadros e objetos decorativos personalizados em vidro.

Vivendo em Caxias há certa de três anos Caxias, Ousmane teve a oportunidade de entregar uma de suas pinturas pessoalmente à presidente Dilma Rousseff, durante a inauguração de unidades do residencial Campos da Serra, em março de 2016. Era um quadro que retratava a poligamia, um dos traços da cultura senegalesa que permeia suas obras.

Ousmane concilia a arte com a função de operador de máquinas. Mora na cidade com a mulher, Binetou Gueye, 30 anos, que desembarcou no país há um ano e faz limpeza em residências. O casal aguarda o nascimento do segundo filho, que está no sexto mês de gestação. O primogênito, Laye, tem dois anos e ficou no Senegal com a avó. Garantir o sustento dos parentes que ficaram na África é a prioridade, segundo explica a senegalesa:

— Nossa cultura diz que se eu tenho dinheiro, preciso ajudar a família em primeiro lugar. É uma retribuição a quem nos criou. Todo mês, mando cerca de R$ 600 para eles, assim como Ousmane também ajuda os pais dele. Ainda não conseguimos guardar nada para nós.

“NÃO TEM COMO DEVOLVÊ-LOS”

Vania Herédia, doutora em História e professora do departamento de Sociologia na Universidade de Caxias do Sul (UCS), projeta os reflexos culturais e sociais da diáspora negra para os próximos anos no Estado. Confira os principais trechos da entrevista concedida ao Pioneiro:

Quais são as principais diferenças entre os senegaleses e os haitianos que migraram para o Brasil?

Os haitianos chegaram numa condição muito diferente da dos senegaleses. Eles são refugiados. Então, vêm para ficar e começam a cobrar da própria sociedade outra postura. Em relação às culturas, são muito distintas. A dos africanos é pura, tem uma força religiosa muçulmana grande e influência étnica de várias tribos distintas, que fazem com que o povo não tenha uma cultura totalmente homogênea. Já os haitianos têm a presença tanto do catolicismo quanto do protestantismo na religião. A forma de encarar o mundo e as relações são bem distintas.

Como é o perfil da população que veio para cá?

A população senegalesa que veio ao Rio Grande do Sul é predominantemente masculina, jovem e muçulmana. Na cultura senegalesa, a mulher fica na casa cuidando dos filhos, e o homem é quem se desloca para o trabalho. Um deles viaja sustentado por toda a família — o mais promissor no sentido de fazer as remessas e mandar o dinheiro. Como é uma estrutura baseada no poligamismo, muitas vezes eles têm que sustentar duas ou três mulheres. Temos 50% de solteiros e 35% de casados que chegaram a Caxias do Sul e foram escolhidos para fazer a representação. É uma migração laboral. Se o Brasil não tivesse trabalho na época, não teriam vindo. Os senegaleses, antes de chegar à Serra, já tinham deixado a Europa, especialmente a Itália, por causa da crise de 2008.

Se aumentarem as taxas de desemprego aqui, certamente eles vão fazer movimentos de saída. O sonho de muitos é os Estados Unidos e a ideia da sociedade tecnológica, que absorve e tem um bom padrão de vida. Os haitianos, por outro lado, têm um nível de educação superior. O problema é que muitos não conseguem validar os certificados no Brasil. Inclusive de coisas simples, como a carteira de motorista e o documento de conclusão escolar. Eles não conseguem fazer esse processo, mas querem estudar e frequentar a universidade. Os senegaleses se colocam numa atitude de aceitar praticamente o que é oferecido, e os haitianos, como entraram com visto, acreditam que têm direitos quase como os brasileiros.

Eles sofrem muito preconceito?

As pessoas dizem que não têm preconceito, mas no cotidiano, os atos, quando se referem a eles, são de muito distanciamento. Eu diria que a sociedade brasileira, de maneira expressiva, desconhece a cultura africana e a influência que ela teve na nossa própria cultura. Essa negação e a dificuldade de aproximação derivam de um desconhecimento histórico de quem são esses africanos e de como eles ajudaram a construir o Brasil.

Estes imigrantes têm chances de ascender socialmente e ocupar cargos importantes na Serra?

Acho bastante difícil. Caxias do Sul, por exemplo, é uma cidade muito fechada. Mesmo que ela tenha necessidade de mão de obra, sempre há um cuidado nisso em relação à própria hegemonia. Pode absorver até certo ponto. As pessoas vão assistir às coisas dos senegaleses, mas não convidam eles para suas casas. Não existe uma abertura recíproca. Ela pode até acontecer, e esse é o ganho do processo migratório. Onde ocorreram as grandes migrações, houve a abertura da cultura e a possibilidade da heterogeneidade. Foi o caso da própria Itália, que é um país muito conservador, mas que teve de incorporar as populações de suas colônias em diversos momentos, e não apenas as brancas.

A senhora acredita que possa ocorrer um conflito social por causa da imigração negra na Serra?

Eu acho que ele já existe quando essa população encontra dificuldade em ser atendida devido à barreira da língua, da comunicação e do entendimento de suas próprias intenções. É impossível prever de uma maneira muito exata se isso será um conflito imenso. Acho que continuarão ocorrendo deslocamentos, e vamos começar a receber outros tipos de populações internacionais. Isso faz parte de uma nova dinâmica do mundo, decorrente dos processos globais. Eu acredito que os haitianos vão ficar.

A Serra está preparada para absorver ondas migratórias como esta?

As migrações internacionais que geraram a ocupação da terra, como a italiana, no século 19, deram certo porque foram subsidiadas por políticas governamentais de acesso à propriedade e ao trabalho remunerado. A diferença entre esse tipo de migração e a que vem na luta e precisa se instalar, como a negra, é substancial. Na nossa cidade, avalio que falta um serviço ofertado pela própria prefeitura só para os migrantes africanos e caribenhos. É impossível afirmar que não existe lugar para eles, quando é uma cidade constituída historicamente por migrantes de todas as regiões. À medida que não há um serviço, não há orientação. Depois que os migrantes estão nas cidades, não há como simplesmente devolvê-los. É um problema de compreensão política com relação aos fenômenos migratórios. Falta uma visão maior com o que está acontecendo no mundo. Caxias é um polo industrial, não é um lugar só dos caxienses. Ela sempre absorveu essa mão de obra, e não é nesse momento que ela vai conseguir se desfazer dessa história. É um desafio para a cidade, quase um dilema. A questão mais grave é que as pessoas já estão aqui. Não vai acontecer no futuro, está acontecendo agora, e a cidade tem dificuldade de dar conta.

“BANDO DE IMIGRANTES”

Alceu Barbosa Velho, prefeito de Caxias do Sul, diz que a cidade atende aos estrangeiros de forma satisfatória, mas desencoraja a vinda de mais haitianos e senegaleses

Mesmo com denúncias de omissão e falta de serviços públicos adequados, informadas nesta reportagem e entregues em março deste ano ao Senado por entidades que representam os imigrantes, o prefeito de Caxias do Sul garante que a cidade atende aos estrangeiros de forma satisfatória. Alceu Barbosa Velho (PDT) afirma que os milhares de africanos e caribenhos que chegaram à Serra para tentar uma vida melhor são tratados corretamente.

Segundo ele, não há privilégios para nenhuma população, e o acesso irrestrito a benefícios como o Sistema Único de Saúde (SUS) e programas sociais da prefeitura confirmam isso. Alceu ressalta que todos os que chegaram ao município foram atendidos e não passaram fome ou frio. Porém, ele entende que não é função do Executivo promover a inclusão dos imigrantes no mercado de trabalho.

— Ninguém pode achar que o poder público pode tudo. Agora vem esse bando de imigrantes e a prefeitura tem de dar trabalho e comida para todo mudo? Não é assim — pondera.

De acordo com o prefeito, a Fundação de Assistência Social (FAS) de Caxias — responsável por orientar os imigrantes — dá o suporte adequado à situação. Ele não prevê mudanças na cidade até o fim de sua gestão, em 2016.

— Eles têm atendimento gratuito pelo SUS e acesso a tudo que as demais pessoas têm. Não é porque vieram de fora que vamos passar eles na frente de quem está aqui. Se querem trabalhar, têm de procurar trabalho. Está ruim para todos — diz Alceu.

A coordenadora do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM) de Caxias, Maria do Carmo dos Santos Gonçalves, lamentou a declaração do prefeito (escute abaixo). Ela cita a cidade de São Paulo como exemplo de sensibilidade com o tema, onde uma política pública específica é desenvolvida para melhorar a situação dos estrangeiros.

Não se discute nada em Brasília

À frente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Paulo Paim (PT-RS) recebeu as reclamações dos imigrantes e encaminhou o documento para a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Porém, com a grave crise política enfrentada pelo governo Dilma Rousseff em Brasília, o assunto sequer é tratado enquanto não se tem uma definição do futuro da petista.

— Com essa confusão, parou tudo. É uma irresponsabilidade total, não há nada de positivo. Temas importantes como este ficam completamente esquecidos. Para você ter ideia, nem o Orçamento da União se discute — lamenta Paim.

O senador se encontrou, antes do acirramento da crise que culminou na abertura do processo de impeachment de Dilma, com líderes haitianos e senegaleses em São Paulo e no Acre. Paim classifica a situação como “grave”.

MPF INVESTIGA PREFEITO

Após a publicação da reportagem Ilusões Perdidas, prefeito de Caxias do Sul, Alceu Barbosa Velho, declarou ao Pioneiro que os imigrantes eram um “bando”

O Ministério Público Federal (MPF) em Caxias do Sul instaurou no dia 6 de maio de 2016 um inquérito civil para apurar possível discriminação do prefeito da cidade, Alceu Barbosa Velho (PDT), contra os imigrantes haitianos e senegaleses que vivem no município. A investigação foi aberta após ele declarar ao Pioneiro, no dia 4 de maio, a seguinte frase:

— Ninguém pode achar que o poder público pode tudo. Agora vem esse bando de imigrantes e a prefeitura tem de dar trabalho e comida para todo mundo? Não é assim.

A manifestação de Alceu ocorreu depois de o Pioneiro relatar ao prefeito casos de desemprego, exclusão e racismo — apresentados nesta reportagem que você está lendo —, e denúncias feitas por entidades ligadas às populações africanas e caribenhas à Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Alceu foi oficiado pelo MPF para que se manifeste. Ele terá de esclarecer o teor das suas falas. Para o procurador da República Fabiano Moraes, o uso da palavra “bando” possui conotação pejorativa e é inadequada pela impessoalidade e moralidade exigidas para o cargo de chefe do Executivo.

“O município, assim como o Estado e a União, tem o dever de prover trabalho, educação, saúde e moradia, bem como todas as demais necessidades básicas, visando a dignidade e o bem-estar de toda a população, sejam ou não estrangeiros, conforme os princípios constitucionais consagrados”, disse Moraes no documento encaminhado ao prefeito.

Além disso, o inquérito destaca que esta não teria sido a primeira vez que Alceu Barbosa Velho se envolveu em atos discriminatórios em relação aos imigrantes negros. Em 2014, ele disse que Caxias do Sul deveria estar “atenta” ao fato de os estrangeiros trazerem consigo doenças como a pólio, já erradicada no Brasil.

Andrei Andrade e Mauricio Tonetto

(Pioneiro – 04/05/2016)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: