UNILAB: EXEMPLO DE COOPERAÇÃO SOLIDÁRIA

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Brasileira.

A UNILAB nasceu baseada nos princípios da cooperação solidária, criada em parceria com países cujo idioma oficial é o português, a Universidade desenvolve formas de crescimento econômico, político e social entre os estudantes, formando cidadãos para multiplicar o aprendizado. Localizada na cidade de Redenção, no Ceará, a escolha do local do Campus representou bem a proposta da UNILAB: “integrar para desenvolver”, já que esta cidade foi a primeira a abolir a escravatura em 1883.

Em outubro de 2008, foi criada a Comissão de Implantação da UNILAB (instituída pela Secretaria de Educação Superior) que, ao longo de dois anos fez levantamentos e estudos a respeito de temas e problemas comuns ao Brasil e países parceiros nessa integração. Levantou atividades para o planejamento institucional, preparou a organização da estrutura acadêmica, curricular, administração de pessoal, patrimônio, orçamento, finanças e etc. Em 20 de julho de 2012, o então Presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, sancionou a lei nº12.289 instituindo a UNILAB, como Universidade Pública Federal.

O propósito da UNILAB é formar pessoas aptas à contribuir para a integração do Brasil com os países da África, em especial os membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa –CPLP, com o desenvolvimento regional e com intercambio cultural, cientifico e educacional da região. Essa integração se dará com a composição do corpo docente e discente proveniente de várias regiões do Brasil e de outros países, além de convênios com outras instituições da CPLP.

A lusofonia vai alem do caráter do idioma, compreende também aspectos sociais, econômicas e de estratégia geopolítica, ela pode se constituir em um instrumento capaz de dar maior projeção para os países que a integram. Assim, oferece condições para que a oferta de ensino alcance o continente africano.

O processo seletivo dos alunos brasileiros é feito através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) do Ministério da Educação, através da nota obtida pelo ENEM; enquanto os candidatos estrangeiros são submetidos a uma avaliação do histórico escolar do Ensino Médio e prova de redação, realizadas nos próprios países de origem. As inscrições dos estrangeiros são feitas nas Missões Diplomáticas brasileiras dos países parceiros (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Principe e Timor Leste). Metade das vagas é destinada aos brasileiros e outra metade aos alunos vindos dos demais países da CPLP.

A Universidade dispõe de um programa de assistência estudantil, que conta com auxilio alimentação, esporte e lazer, ensino pedagógico, moradia, transporte, conforme previsto no Programa de Assistência Estudantil (PNAE).

A UNILAB conta hoje com trezentos e cinquenta alunos, cerca de cento e cinco estrangeiros ( Timor Leste, Cabo Verde, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe).

Ruana Corrêa



Categorias:estudantes

%d blogueiros gostam disto: