DE NORTE A SUL

Depois de São Paulo, Rio Grande do Sul é o novo destino dos imigrantes haitianos encaminhados pelo Acre.

O governo do Acre despachou no último final de semana quatro ônibus lotados com imigrantes do Haiti para Porto Alegre. O primeiro ônibus saiu do estado no dia 21 e devia chegar à Capital gaúcha na noite de quarta-feira (26/11).

O próprio governo gaúcho foi pego de surpresa e acabou sendo avisado pela imprensa na semana passada que os imigrantes estavam sendo mandados para Porto Alegre. Integrante da Assessoria de Cooperação e Relações Interacionais do governo gaúcho, Fábio Balestro trabalha no gabinete do governador Tarso Genro e está monitorando a situação.
Ele informa que existe um organismo formado pelo poder público e por organizações da sociedade civil que já está mobilizado para atender os haitianos: o Comitê Estadual de Atenção a Migrantes, Refugiados, Apátridas e Vítimas do Tráfico de Pessoas (Comirat).

“Ficamos sabendo da vinda destes haitianos pela mídia e desde sexta-feira passada estamos em contato com o Acre para obter informações. O governo do Acre nos passou apenas informações imprecisas, até agora não sabemos quantas pessoas vêm e quando elas chegam”, explica Fábio. Ele acrescenta que o governo acreano confirmou ter despachado quatro ônibus com imigrantes haitianos para Porto Alegre. Os ônibus saíram nos dias 21, 22, 23 e 24 de novembro e devem chegar à cidade na noite desta quarta, quinta, sexta-feira e sábado, respectivamente.

O governo do Acre contratou a empresa Eucatur para transportar os haitianos. O Palácio Piratini está em contato com os responsáveis pela empresa, na tentativa de localizar o motorista que está dirigindo o ônibus que devia chegar à Capital na noite de quarta-feira (26/11) para saber o horário e o local da chegada.

Fábio Balestro salienta que o governo gaúcho – em conjunto com organizações da sociedade civil, como o Centro Ítalo-Brasileiro de Assistência ao Migrante (Cibai) – pretende fazer todo o atendimento inicial aos haitianos, verificando se todos possuem documentação, lugar para ficar e possibilidades de trabalho. O governo e as entidades tentarão resolver os casos de pessoas sem documentos e sem estadia encaminhados. Além do gabinete do governador, estão mobilizados as Secretarias Estaduais de Justiça e Direitos Humanos e do Trabalho, a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social, a Defensoria Pública da União e a Secretaria de Direitos Humanos de Porto Alegre.

Secretário de Direitos Humanos do Acre, Nilson Mourão não soube precisar quantos ônibus ou quantos imigrantes estariam se dirigindo a Porto Alegre. Ele informa que foram os próprios haitianos que decidiram vir para a cidade, já que muitos possuem parentes ou amigos que já estão no Rio Grande do Sul.

O secretário afirma que os ônibus foram pagos pelo governo do Acre e pelo governo federal e ressalta que todo o processo foi acompanhado por autoridades federais que tratam da questão. De acordo com ele, em negociação com os haitianos, o Acre elaborou uma rota terrestre que percorre os três estados da Região Sul, então muitos imigrantes ficam em outras cidades no Paraná e em Santa Catarina.

“Esse ônibus finaliza sua viagem em Porto Alegre, mas vai parando ao longo do trajeto. A Região Sul é a que mais recebe imigrantes nos últimos três anos”, diz Mourão. O secretário informa que mais de 28 mil haitianos já passaram pelo Acre e que, por uma decisão política do governo estadual e do Palácio do Planalto, todos serão encaminhados aos destinos que escolherem dentro do território brasileiro. “Essa é uma decisão política: os que chegarem aqui e tiverem que ir para seus destinos serão embarcados”, diz.

Nilson Mourão garante que os imigrantes que chegarão em Porto Alegre já possuem lugar para ficar e estão documentados. “Eles já seguem todos documentados, salvo um ou outro caso. Eles vão ao encontro dos parentes em diferentes cidades do Rio Grande”, informa.

Questionado sobre o fato de não ter havido um diálogo do governo do Acre com o governo gaúcho, o secretário afirma que “não é de hoje que isso está acontecendo”. “Já faz anos que os imigrantes seguem com esse destino. Entendemos que temos que facilitar a vida deles, nossa ação é conduzi-los ao destino que desejam. Se o governo gaúcho quiser saber para onde eles estão indo, é só ver onde estão seus parentes”, comenta.

Samir Oliveira

(Sul 21 – 26/11/2014)



Categorias:imigrantes

%d blogueiros gostam disto: