NA ESCUTA. CÂMBIO.

Intercambistas aprendem português e cultura brasileira em Colatina, ES.

Adolescentes de diversas nacionalidades estão no Espírito Santo realizando uma experiência de intercâmbio através do Rotary Internacional. Atualmente, 19 intercambistas estrangeiros entre 15 e 18 anos estão no estado aprendendo mais sobre a cultura brasileira e capixaba.

Em Colatina, na região Noroeste do estado, a americana Samantha Ann Bango está se esforçando para aprender o português. Quando chegou no município, em setembro de 2015, ela não conhecia o idioma, mas hoje já consegue compreender a família que a acolheu.

“Eu acho difícil, porque é uma outra língua, mas não é muito difícil porque os brasileiros falam bem devagar e ajudam”, conta a americana, já em português.

Para praticar, a família que acolheu a intercambista colocou placas nos móveis e nas paredes. Assim, a americana aprende o português e os brasileiros podem praticar o inglês.

“Etiquetamos tudo, desde parede até objetos. E fomos escrevendo, eu em português e ela em inglês”, disse a educadora Maricelis Caetano, que recebeu a intercambista em casa.

Em uma casa vizinha, a mexicana Nicoly Godefroy também aprende mais sobre o português e sobre a cultura capixaba desde setembro de 2015. “Como eu já falo espanhol, minha língua latina, e já falo inglês, eu escolhi o português. Para mim foi um pouco mais fácil, porque é a mesma base do espanhol, mas é uma língua muito bonita, com muitas gírias e expressões”, explicou.

Além de conhecer o idioma e a culinária capixaba, as intercambistas contam que aprenderam muito com as experiências que viveram, como o desastre ambiental do Rio Doce.

“Antes eu não tinha consciência da importância da água. Eu tomava banhos de meia hora e não tinha consciência de que a água era tão vital e fazia tanta falta”, contou Nicoly.

Além das intercambistas que vivem uma experiência internacional no Brasil, o Rotary também possibilita viagens de estudantes brasileiros para outros países. É o caso da estudante Sarah Marques, de 16 anos, que se prepara para conhecer o Canadá.

Ela já está de malas prontas e conta que está realizando um sonho. “Eu sempre quis o Canadá, e foi pura sorte. Participei de um sorteio, todos pegaram a bandeira, e eu fui a última a pegar. Então o Canadá ficou me esperando”, conta.

Ela vai passar seis meses no país e já está deixando a mãe aflita, mesmo antes de partir. “Meu coração esta muito apertado, eu vou morrer de saudade. Mas ao mesmo tempo estou muito feliz e orgulhosa dela”, disse Flávia Endringer, mãe de Sarah.

Rotary

O Rotary Internacional é um clube de serviços formado por profissionais que atua para ajudar comunidades. Dentre os programas internacionais do clube, está o programa de intercâmbio.

Para participar do intercâmbio, o jovem tem que estar estudando no ensino médio, em uma escola pública ou particular, e ter entre 15 e 18 anos.
Os interessados devem procurar o Rotary para fazer um processo de seleção, aberto todo ano durante o mês de julho, com entrevista, redação e uma prova, realizada no mês de novembro.

“O jovem de 15 a 18 anos pode procurar o clube Rotary e dizer que tem interesse em participar ou conhecer o programa de intercâmbio”, explicou Robson Caetano, presidente de intercambista no Rotary.

Em 2015, 35 adolescentes se inscreveram para participar do programa no estado. Destes, 20 já estão com tudo programado para o intercâmbio. Os alunos ficam na casa de famílias indicadas pelo Rotary, com alimentação e moradia inclusas. Por isso, o custo do programa é baixo.

O intercâmbio tem duração de 10 a 12 meses, com início geralmente no mês de agosto. Existem vagas disponíveis para Taiwan, Dinamarca, Alemanha, Finlândia, França, Eslováquia, Estados Unidos e México.

A Secretaria Estadual de Educação (Sedu) também tem um programa que possibilita uma experiência internacional aos alunos. O Centro Estadual de Idiomas funciona nos municípios da Serra, Vitória, Vila Velha, Cariacica, Colatina e Cachoeiro de Itapemirim.

Intercâmbio na Rede Pública

Para participar, os alunos matriculados na rede estadual passam por uma pré-seleção nas escolas de acordo com a frequência escolar e notas. Os alunos selecionados realizam uma prova e os que tiverem os melhores resultados podem cursas as aulas de inglês no Centro de Idiomas.

Dentro do Centro, eles devem fazer uma segunda prova para garantir vaga no intercâmbio. Em 2015, sete jovens participaram do programa. No entanto, o número de vagas para estudar no Centro é maior.

Alessandro Bacheti

(G1 – 26/01/2016)



Categorias:estudantes

%d blogueiros gostam disto: