Refugiados e migrantes venezuelanos são incluídos no Censo Demográfico 2022

Venezuelanos em ruas de Pacaraima. — Foto: Caíque Rodrigues/g1 RR/Arquivo

A partir da assinatura do Acordo de Cooperação Técnica entre a Organização Internacional para as Migrações (OIM), a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e o IBGE, será realizada a coleta de dados sobre a população refugiada e migrante venezuelana em Roraima. A notícia, dada pelo Portal G1, ainda informou que esse levantamento também vai acontecer em Manaus (AM). Vale frisar que o Censo está sendo realizado com dois anos de atraso em razão da pandemia de Covid-19 e de cortes orçamentários. O último levantamento foi realizado em 2010.

Migração que originou povos e idiomas da África começou há 5.000 anos, diz estudo (06/08 – Folha de S. Paulo)

Dançarinos angolanos durante a cerimônia de abertura da Copa Africana das Nações, em Luanda (Angola), em 2010. Angola é uma das nações de origem banto – Amr Abdallah Dalsh – 2.dez.10/Reuters

O artigo de Reinaldo José Lopes para a Folha de S. Paulo divulgou um estudo publicado na revista especializada PNAS, da Academia Nacional de Ciências dos EUA, que expõe padrões de parentesco entre mais de 400 idiomas do ramo linguístico banto. As línguas possuem semelhanças tanto no vocabulário quanto na estrutura gramatical, assim como os idiomas derivados do latim. Ezequiel Koile, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionista, na Alemanha, busca entender, a partir disso, como e quando o banto começou a se ramificar.

Políticas de imigração ainda promovem distribuição desigual e racializada da liberdade de se mover (09/08 – Folha de S. Paulo)

Sob a lembrança do privilégio que é se mover livremente na contemporaneidade, Angelo Martins Junior e Clarissa Paiva Guimarães e Silva escrevem sobre as diferentes visões exercidas sobre os deslocamentos dos povos do Norte e do Sul Global. Os primeiros, vistos como turistas, estudantes, viajantes a negócios etc., enquanto os segundos são intitulados “migrantes”. Os autores ainda comentam sobre a binariedade das classificações, como legal/ilegal e voluntário/forçado. São essas diferenciações que influenciam o regime de controle estatal nacional sobre a mobilidade humana, o qual valida atitudes violentas com grupos selecionados. Para ler na íntegra, acesse a coluna da Folha de S. Paulo.

Mulher migrante espera em Tapachula, México, em 25 de outubro de 2021 — Foto: AP – Marco Ugarte

Com 25% de risco de estupro, contraceptivo faz parte do ‘pacote’ de mulheres na rota de migração para os EUA (09/08 – g1)

O Portal G1 veiculou notícia da RFI que denuncia a violência sexual sofrida por mulheres que tentam migrar para os Estados Unidos. Os relatos de duas migrantes ilustram como casos de estupros são comuns durante a viagem. Seus próprios amigos recomendaram que tomassem contraceptivos antes do processo de migração, para que não corressem o risco de engravidar a partir de um estupro. Os abusos acontecem tanto pelos traficantes de pessoas quanto pela polícia. 

O que é a síndrome de Ulisses que afeta os migrantes (17/08 – BBC)

Segundo dados de 2020 da ONU, há, em todo o mundo, cerca de 281 de milhões de migrantes internacionais. Seja por livre e espontânea vontade ou de forma forçada, os indivíduos que se encaixam nesse cenário vivenciam situações específicas que envolvem saúde mental e beiram transtornos. O psiquiatra espanhol Joseba Achotegui começou a se atentar a esse grupo em 2002 e deu um nome ao quadro que acomete muitos migrantes: síndrome de Ulisses. Leia a matéria da BBC para saber mais sobre o assunto.

‘Desidratado demais para chorar’: a viagem mortal dos migrantes no Panamá (22/08 – BBC)

“”Desidratado demais para chorar”, a viagem mortal dos imigrantes no Panamá. Foto: Getty Images

A matéria de Valentina Oropeza Colmenares para a BBC reúne relatos de profissionais que recebem migrantes ao norte da região de Darién, que separa o Panamá da Colômbia. A pediatra Yesenia Williams disse que as crianças chegam desidratadas e desorientadas: “Elas presenciaram coisas que não deveriam ter visto”. Dos 133 mil migrantes que se estima terem cruzado a selva de Darién em 2021, 30 mil eram crianças. No percurso, há cursos d’água infectados por larvas liberadas por caramujos, o que causa erupções cutâneas nos migrantes. Os relatos também incluem a entrega de crianças a outras pessoas, entre outras situações marcantes.

Migrante venezuelana usa experiência como professora para ajudar crianças e adolescentes refugiados em Roraima (19/08 – g1)

O Portal G1 conta a história de Lusmara López, venezuelana, que em 2019 entrou para a ONG Visão Mundial Brasil, em Boa Vista (RR). Essa foi a mudança que ela definiu como “um giro de 360 graus” na sua vida. Com 21 anos dedicados a ensinar matérias voltadas para a área cultural na Venezuela, Lusmara, empenha seu tempo, há 3 anos, a ouvir crianças e adolescentes migrantes e refugiados.

Lusmara López durante evento da Visão Mundial Brasil. — Foto: Sol Cruz/Visão Mundial Brasil

Observar, dentro da Venezuela, a mudança de um ensino tradicional para um ensino político, e olhar para esses meninos aqui no Brasil, te toca. Você precisa fazer com que se sintam acolhidos, protegidos e iguais às crianças brasileiras.

Copa dos Refugiados e Imigrantes ocorre em sete capitais (26/08 – Agência Brasil)

Mais uma edição da Copa dos Refugiados e Imigrantes foi lançada no dia 26/08 no Museu do Futebol, em São Paulo. A iniciativa é um projeto social e esportivo da organização Pelo Direito de Migrar e contará com 58 seleções, reunindo 1.160 atletas de 48 nacionalidades. A primeira edição da copa foi em 2014, mesmo ano em que o Brasil sediou a competição mundial. Desta vez, o tema é “Acolha a imigração: refúgio e migração são direitos humanos”. Para saber mais sobre as datas e os locais de realização dos jogos, acesse a matéria da Agência Brasil.

Imigrantes e refugiados são retratados em murais gigantes feitos pelo artista Kobra em frente ao Museu da Imigração em SP (27/08 – g1)

Crianças retratadas pelo artista posam em frente ao mural — Foto: PAULO LOPES/BW PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Um painel de mais de 700 m², intitulado “Janelas Abertas para o Mundo”, foi inaugurado em frente ao Museu da Imigração, em São Paulo. Nele, estão retratados migrantes e refugiados de diferentes origens, personagens reais, pintados pelo artista Kobra. Confira mais informações e imagens na matéria do Portal G1.

Centro de detenção onde estava brasileiro morto nos EUA acumula denúncias (30/08 – Folha de S. Paulo)

O brasileiro Kesley Vial, de 23 anos, estava desde o fim do mês de abril detido no Centro de Detenção do Condado de Torrance (TCDF, na sigla em inglês), após entrar no país de forma irregular. Após sua morte, no dia 24/08, entidades que monitoram a situação dos imigrantes no estado, expressaram, por nota, que “[A morte de Kesley] é exatamente o que temíamos que acontecesse. Organizações alertaram por anos das condições brutais e desumanas em Torrance”. A matéria da Folha de S. Paulo ainda revela que, em março, o inspetor-geral do Departamento de Segurança Interna, Joseph Cuffari, já havia divulgado um alerta de 19 páginas pedindo a remoção de todos os detidos do TCDF após encontrar uma série de problemas no local. 

Do escravagismo à integração: imigração chinesa ao Brasil completa 210 anos (31/08 – Brasil 247)

Do trabalho braçal nas lavouras sob o sistema escravagista ‘coolie’ até a grande emigração do povo chinês para terras brasileiras ocasionada pela turbulência política na China após a Guerra Civil, Leonardo Sobreira recapitula a imigração chinesa no Brasil, iniciada em 1812. Veja os momentos mais marcantes dessa parte da História e os depoimentos de imigrantes na matéria do Brasil 247.